Padre António Torrão quer inserir a oração nas rotinas do quotidiano, em cada casa

Anadia, 26 jan 2021 (Ecclesia) – As comunidades paroquiais de Aguim, Arcos e Tamengos, na Diocese de Aveiro, foram desafiadas a um momento para ‘Orar em Família’ com uma proposta online, desde o início de janeiro.

“É um projeto para a família rezar junta, assim como habitualmente faz as refeições, vê televisão, vai ao cinema ou passear. Às vezes, falta incutir o sentido de orar juntos”, disse hoje o padre António Torrão, em declarações à Agência ECCLESIA.

Segundo o pároco de Aguim, Arcos e Tamengos, no Arciprestado de Anadia (Diocese de Aveiro), “parece que as famílias deixaram de rezar juntas” e é “um dos problemas da transmissão da fé e da própria vivência cristã”, porque os pais têm também a “missão de catequizar os filhos”.

O sacerdote observa que há muitos sítios online de oração, “e muito bons”, mas na prática são “sites de oração individual, onde a pessoa pode ouvir um mp3, ver vídeos, e é mais individualizada”; o ‘Orar em Família’ apresenta um esquema “para ser feito em família”.

A proposta, “nesta primeira fase”, visa “criar um clima de ambiente para a oração”, recorrendo, por exemplo, a um cântico de ajuda à interiorização e ambientação que “é também de louvor”.

“Um dos primeiros aspetos da oração é louvar que muitas vezes está arredado das nossas orações, pedimos muito, mas louvamos pouco”, observa o padre António Torrão.

A família é convidada a ler o texto bíblico e a refletir a partir de “perguntas concretas” que incentivam a conversar.

Existe também “uma parte de pedidos”, que não é só pessoal, familiar ou pelos amigos mas “pelo que se passa no mundo”, o Pai-Nosso e uma oração conclusiva.

Semanalmente o esquema de oração é publicado no sítio online ‘Orar em Família’ e quem quiser pode inscrever-se para receber uma notificação, via “WhatsApp ou para o email”, a informar que a nova proposta de oração já está disponível.

Atualmente estão registadas “cerca de 250 inscrições” e “cerca de 700 pessoas diferentes acederam” ao site.

O pároco de Aguim, Arcos e Tamengos refere que, em reuniões com os pais dos catequizandos, foram abordados “alguns aspetos da vida familiar, um deles sobre a Igreja doméstica e o rezar em família”.

No início deste ano, o sacerdote apresentou uma proposta “para cada família se organizar e rezar” e, depois, “surgiu a ideia de fazer um esquema para que as famílias pudessem ter um subsídio para rezarem juntas”, publicado online.

Neste momento, a equipa é constituída por oito elementos, com pessoas das três paróquias e com diferente idades, desde os 20 anos a mais de 50, “para ter várias sensibilidades”.

CB/OC

 

Partilhar:
Share