Há 32 anos no interior do Algarve, Cláudia e Albino Martins dinamizaram pastoral, ação social e salvaguarda do património

Foto: Folha de Domingo

Lisboa, 01 jul 2022 (Ecclesia) – Albino e Cláudia Martins, responsáveis pela comunidade de Cachopo, em Tavira, e colaboradores da Diocese do Algarve, receberam a Medalha de Mérito Municipal – Grau Prata, pela dedicação à população mais idosa numa região envelhecida e desertificada.

“Estiveram na origem da constituição do Centro Paroquial de Cachopo, em 6 de abril de 1990, nas valências de Centro de Dia e Apoio Domiciliário em 25 lugares isolados da freguesia. Aqui incutiram nos seus mais próximos colaboradores, a urgência de se valorizar e promover sem timidez e vergonha, os direitos sociais dos cidadãos, promovendo a sua inclusão social”, valorizou o município de Tavira, na sessão de homenagem, noticiada pelo jornal ‘Folha de Domingo’.

O casal, natural de Vila Real de Santo António, no Algarve, chegou à comunidade de Cachopo em agosto de 1990 e ali construíram raízes familiares, recorda a publicação, contrariando o êxodo rumo ao litoral.

“A convite do então bispo do Algarve, D. Manuel Madureira Dias, a missão do casal não passaria apenas pela organização da catequese e da liturgia”, mas também no desenvolvimento de “apoios sociais, de cuidados de saúde, de um maior acompanhamento face à solidão que muitos idosos enfrentavam”, pode ler-se.

Albino Martins valorizou no trabalho de 32 anos a “grande proximidade aos cidadãos do vasto território da freguesia de Cachopo” e o trabalho realizado em “espirito de serviço”.

“Em 32 anos, vivenciei momentos de conquistas e de pertença a um povo único, celebrei momentos de felicidade (batismos e casamentos), toquei as feridas de quantos partiram e a tristeza dos seus familiares (presidi a mais de 700 funerais). Daqueles que mantêm relação com a freguesia, de alguma forma, passei pelas suas vidas e me tornei um entre eles (os residentes e os da diáspora)”, reconheceu o homenageado, estendendo a distinção a colaboradores nos diferentes serviços desenvolvidos.

O projeto para o Centro Paroquial de Cachopo foi inaugurado em 2009 e hoje assiste 115 idosos, 30 em lar, 20 no centro de convívio, 15 em centro de dia e 50 em apoio domiciliário, “estes dispersos por 23 montes da serra algarvia, o que implica a realização de 500 quilómetros diários”.

“Albino Martins foi ordenado diácono em janeiro de 2012, em 2011 alargou o seu trabalho de missão às paróquias de Martim Longo e Vaqueiros e em 2015 às paróquias de Alcoutim, Giões e Pereiro, sendo atualmente presidente dos Centros Paroquiais de Cachopo, Martim Longo e Vaqueiros, instituições que prestam serviço social, nas valências Centro de Dia, Centro de Convívio, Serviço de Apoio Domiciliário e ERPI – Estrutura Residencial para Idosos”, explica.

A autarquia quis ainda realçar “a dinâmica pastoral”, a preservação e salvaguarda do património, “sobretudo, religioso”, que ajudará às “gerações vindouras” perceber uma “herança cultural e religiosa, na esperança que mantenham sempre viva a sua memória”.

“Na sua ação pastoral, nas sedes de freguesia e nos montes, transmite o desejo que saboreemos a alegria de viver, ainda que muitos concidadãos tenham as limitações que a idade impõe. Na reta final da vida, já muita coisa se dispensa, não porém, o sentir-se amado e acarinhado”, referiu.

O casal já havia recebido, em 2000, a Medalha de Mérito do Município de Tavira – Grau Cobre e em abril de 2015, foi agraciado pelo Presidente da República com a Medalha de Grau Oficial da Ordem do Mérito.

LS

Partilhar:
Share