Hospitalidade e alegria marcam os dois dias de compasso em Rendufe, Labrujó e Vila do Monte

Agência Ecclesia/MC

Viana do Castelo, 20 abr 2019 (Ecclesia) – O bispo de Viana do Castelo vai fazer a visita pascal nas paróquias de Rendufe, Labrujó e Vila do Monte, no arciprestado de Ponte Lima, cumprindo a tradição desde o segundo ano que está na diocese.

“Tenho alternado, embora não escolha. Vou ao primeiro que me convida. Este ano é uma visita breve porque são paróquias pequeninas. Não me irá ocupar o dia inteiro e dá-me ocasião para estar mais tempo em conversa em cada casa”, relata D. Anacleto Oliveira à Agência ECCLESIA.

A hospitalidade, indica o bispo diocesano, é uma virtude evangélica e a fé conhece-se por “manifestações concretas”.

“A fé, não a podemos medir, é algo tão pessoal e íntimo que não podemos afirmar, e eu tento não julgar”, diz, mas recorda as pessoas, “de coração aberto” e disponível, que “com alegria”, recebem quem entra nas suas casas: “Não podemos separar isso do que chamamos fé”.

D. Anacleto Oliveira, em Viana do Castelo desde 2010, afirma-se conquistado pelos vianeses desde a primeira hora, pela “simplicidade e abertura” do povo.

Na visita pascal, em cada casa, é acolhido como família.

“No ano passado andei dois dias numa paróquia e se comesse, um bolinho pequenino que fosse em cada casa, não aguentava. Faço uma oração, entrego uma pagela, o mordomo dava a cruz a beijar e eu cumprimentava cada pessoa. As pessoas convidavam-me para comer e eu habitualmente recusava, mas uma coisa eu comia sempre, tremoços, porque desde miúdo gosto muito. No dia seguinte não havia casa que não tivesse tremoços”, recorda com alegria.

A preparação da visita pascal varia conforme as comunidades: “algumas põem-lhe mais pompa com banda musical, outras enfeitam mais os tapetes de flores”.

O dia começa com a celebração da eucaristia, dando um enquadramento litúrgico à tradição da visita pascal.

“A preparação é feita pela vivência litúrgica. Antes de iniciar a visita a cada uma das casas há uma celebração eucarística, assim como no final da visita haverá um encontro entre todos”, indica D. Anacleto Oliveira.

De anos anteriores o bispo recorda “rapazes e raparigas trajadas à vianense” ou a devoção dos imigrantes que abrem as casas para receber a visita pascal e até para as benzer.

D. Anacleto Oliveira afirma-se “apenas” mensageiro da Boa Nova que é transmitida “na amizade, nos gestos e no rosto alegre” por visitar as casas das comunidades.

“A alegria que transmitimos, a amizade com que aparecemos, o mistério da Ressurreição vai estampado na nossa maneira de agir. O segredo da vida está aqui”, indica.

O programa Ecclesia de domingo de Páscoa pelas 6h na Antena 1 vai conversar com o padre Jorge Ramos e com D. Anacleto Oliveira.

LFS/LS

Partilhar:
Share