Francisco apelou à reconciliação nacional

Foto: Lusa/EPA

Cidade do Vaticano, 02 mai 2021 (Ecclesia) – O Papa saudou hoje no Vaticano a beatificação José Gregorio Hernández (1864-1919), médico venezuelano conhecido pela sua dedicação aos pobres, que se celebrou na última sexta-feira, em Caracas.

Francisco elogiou um “médico cheio de ciência e de fé” que, como “bom samaritano”, soube reconhecer “o rosto de Cristo” nos doentes, com “caridade evangélica”.

“Que o seu exemplo nos ajude a cuidar de quantos sofrem, no corpo e no espírito”, disse aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, após a recitação da oração do ‘Regina Caeli’, pedindo um aplauso para o novo beato.

O médico, já conhecido pela população venezuelana como santo, cuidou de vários doentes durante a pandemia de febre espanhola e acabaria por morrer atropelado, quando se deslocava a uma farmácia para comprar medicação para uma idosa.

Francisco tinha enviado uma mensagem à população da Venezuela, antes da celebração, com votos de paz e reconciliação.

“Precisamos sempre da reconciliação, da mão estendida”, realçou, manifestando o seu desejo de visitar o país.

Rezo para que, todos juntos, possamos recuperar aquela Venezuela na qual todos sabem que têm um lugar, na qual todos podem encontrar um futuro. E peço ao Senhor que nenhuma intervenção externa vos impeça de percorrer esse caminho de unidade nacional”.

A mensagem lamenta o impacto da pandemia, que também limitou a celebração do povo venezuelano nesta beatificação, convidando todos a seguir o “exemplo de serviço altruísta” do médico dos pobres, reconhecendo os outros “como iguais, como irmãos, como filhos da mesma pátria”.

“Acredito sinceramente que este momento de unidade nacional, em torno da figura do médico do povo, constitua um momento especial para a Venezuela e exige ir mais longe, dando passos concretos em favor da unidade, sem se deixar vencer pelo desânimo”, acrescentou.

OC

Partilhar:
Share