Francisco encontrou-se com grupo de devotos de São Pio de Pietrelcina

Cidade do Vaticano, 20 fev 2019 (Ecclesia) – O Papa Francisco questionou hoje no Vaticano os católicos que se limitam a acusar a Igreja, sem mostrar “amor”, considerando-os “parentes do diabo”.

“Não se pode viver uma vida inteira acusando, acusando, acusando a Igreja. O cargo de acusador de quem é? Quem é que a Bíblia chama de grande acusador? O diabo!”, assinalou Francisco, na Basílica de São Pedro, perante um grupo de 2500 peregrinos provenientes da Diocese de Benevento, na Itália.

A peregrinação quis agradecer ao Papa pela visita realizada a 17 de março de 2018, a Pietrelcina, nas comemorações dos 50 anos das aparições dos estigmas permanentes do santo Padre Pio.

Francisco evocou esta figura para sublinhar que “ele amava a Igreja como ela era, não a destruiu com a língua, como é moda fazer agora”.

“A Igreja é santa, ela é a esposa de Cristo, mas nós, os filhos da Igreja, somos todos pecadores – e alguns grandes”, observou.

Segundo o Papa, todos devem empenhar-se em “corrigir as coisas” que estão mal, mas sempre com o perdão.

“Devem apontar-se os defeitos para corrigir, mas no momento em que se denunciam as falhas, ama-se a Igreja. Sem amor, isso é do diabo”, advertiu.

OC

Partilhar:
Share