Francisco questiona cultura que «descarta» os mais frágeis

Cidade do Vaticano, 20 set 2019 (Ecclesia) – O Papa Francisco renovou hoje no Vaticano a sua oposição contra projetos que visem a legalização da eutanásia, questionando as sociedades que descartam os mais frágeis.

“Pode-se e deve-se rejeitar a tentação – induzida também por mudanças legislativas – de usar a medicina para apoiar um possível desejo de morte do paciente, prestando assistência ao suicídio ou causando a morte diretamente com a eutanásia”, declarou, esta manhã, em audiência aos membros da Federação Nacional das Ordens dos Médicos Cirúrgicos e Dentistas da Itália.

A intervenção, divulgada pela sala de imprensa da Santa Sé, alertou para “caminhos apressados” diante de escolhas que o Papa não considera “expressão da liberdade de uma pessoa, quando incluem o descarte do paciente como possibilidade ou uma falsa compaixão diante do pedido de ajuda para antecipar a morte”.

Francisco convidou a manter um olhar atento sobre “qualquer mudança na medicina e na sociedade”, sem perder de vista a “singularidade de cada paciente, com a sua dignidade e fragilidade”.

O doente, acrescentou, é “um homem ou uma mulher a acompanhar com consciência, inteligência e coração, especialmente nas situações mais graves”.

O Papa defendeu que a medicina deve ter em consideração cada pessoa, “na sua integridade espiritual e material, na sua dimensão individual e social”, rejeitando quaisquer “armadilhas”.

“Cabe aos médicos possuir, juntamente com a devida competência técnica e profissional, um código de valores e significados com os quais dar sentido à doença”, apontou.

Francisco encerrou o seu discurso com uma citação de São João Paulo II, para evocar a “dimensão ética intrínseca e inevitável” do trabalho em saúde, desde o juramento de Hipócrates, que implica “o respeito absoluto pela vida humana e pela sua sacralidade”.

OC

Partilhar:
Share