Doença continua a afetar milhões de pessoas em todo o mundo

Cidade do Vaticano, 28 jan 2018 (Ecclesia) – O Papa associou-se hoje no Vaticano ao 65.º Dia Mundial de Luta contra a Lepra, que continua a afetar milhões de pessoas em todo o mundo.

“Esta doença, infelizmente, atinge ainda, sobretudo, as pessoas mais marginalizadas e as mais pobres”, alertou, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, para a recitação do ângelus.

Francisco pediu “a proximidade e a solidariedade” de todos os que são atingidos pela doença.

“Rezemos também pelos que os assistem e estão empenhados na sua reinserção social”, concluiu.

Segundo os dados do último Anuário Estatístico da Igreja, as comunidades católicas gerem mais de 600 centros para leprosos em todo o mundo.

Em Portugal, a APARF e a Associação Mãos Unidas Padre Damião estão particularmente empenhadas neste campo.

A relatora especial para a eliminação da lepra, do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Alice Cruz, assinalou que o Brasil e Moçambique estão entre os países que a ONU considera como prioritários na intervenção do combate à lepra, doença com mais de 200 mil novos casos registados por ano no mundo.

OC

Partilhar:
Share