Bispos unem-se a reações de congratulação pela nomeação do responsável português como primeiro prefeito do Dicastério para a Cultura e Educação

Foto Agência ECCLESIA

Lisboa, 26 set 2022 (Ecclesia) – A Conferência Episcopal Portuguesa saudou hoje a nomeação do cardeal Tolentino Mendonça como primeiro prefeito do Dicastério para a Cultura e Educação, da Santa Sé, elogiando a sua “dedicação, saber e competência”.

“Felicitando D. José Tolentino pela sua humilde disponibilidade ao aceitar este relevante serviço à Igreja universal e às Igrejas locais, a Conferência Episcopal reconhece toda a sua experiência, dedicação, saber e competência com que exercerá este novo serviço que lhe é pedido pelo Papa Francisco nos setores da Cultura e da Educação, num importante momento de renovação das estruturas da Igreja”, refere uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

A CEP manifesta “profunda alegria” pela nomeação do cardeal madeirense, que há quatro anos desempenhava funções, no Vaticano, como Arquivista e Bibliotecário da Santa Igreja Romana.

A escolha do Papa foi anunciada pela Sala de Imprensa da Santa Sé, em comunicado, ao meio-dia de Roma (11h00 em Lisboa).

D. José Tolentino Mendonça, de 56 anos, assume a liderança de um novo organismo, que surge da reforma da Cúria Romana, promovida por Francisco, com a publicação da constituição apostólica “Praedicate Evangelium”, a 19 de março deste ano.

“A Conferência Episcopal invoca as bênçãos de Deus sobre D. José, para que assuma esta missão de cuidar e promover a cultura e a educação cristãs com espírito missionário e evangelizador”, deseja a CEP.

D. António Moiteiro, bispo de Aveiro e presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF) lembrou por sua vez a experiência do cardeal Tolentino Mendonça nas áreas da Cultura e da Educação.

“Ele está bem preparado para este cargo que o Santo Padre lhe confia. Em relação à Igreja portuguesa, é com natural alegria que recebemos esta nomeação e recordamos bem, como fundamental, o diálogo com a cultura que ele fazia. Somos chamados a continuar este trabalho no qual desempenhou um papel muito grande”, sublinhou, em declarações ao portal EDUCRIS.

O presidente da CEECDF referiu que,no caso da educação católica, existe um mundo vasto de escolas onde a identidade católica deve ajudar os alunos na sua educação: uma educação humana, que tenha no centro o humano e os valores cristãos”, onde se possam preparar para “serem fermento e mudança no mundo de hoje”.

D. António Moiteiro lamenta o surgimento de “muitos extremismos, onde cada vez mais as pessoas se fecham nelas mesmas e os valores cristãos são o oposto disto. Abrem para uma perspetiva universal e ajudam-nos a perceber melhor que o ser humano é relação com os outros para juntos construirmos um mundo onde se viva de maneira mais fraterna”.

O Dicastério para a Cultura e Educação reúne as responsabilidades que até agora estavam atribuídas à Congregação da Educação Católica e ao Conselho Pontifício para a Cultura, ficando com a tutela, nomeadamente, da rede escolar católica do mundo inteiro, com 1360 universidades católicas e 487 universidades e faculdades eclesiásticas, com 11 milhões de alunos, e outras 217 mil escolas, com 62 milhões de crianças.

A Diocese do Funchal, terra natal do cardeal Tolentino Mendonça, reagiu à nomeação com uma nota, em que manifesta os votos de “maiores felicidades” ao cardeal Tolentino Mendonça.

“É um orgulho para a nossa região ver um dos seus filhos a servir o Papa nesta grande responsabilidade ao serviço do anúncio do Evangelho”, refere o texto, divulgado em nome do bispo local, D. Nuno Brás, e das comunidades católicas do arquipélago.

Isabel Capeloa Gil, reitora da Universidade Católica Portuguesa (UCP), manifestou o “enorme orgulho” da instituição pela nomeação do seu antigo vice-reitor como responsável pelas áreas da Cultura e da Educação, no Vaticano.

“Intelectual e académico distinto, a nomeação do cardeal Tolentino Mendonça constitui um importante sinal de transformação num campo determinante para a afirmação de sociedades mais coesas, sobretudo face às ameaças e contradições violentas do nosso presente”, assinala a responsável, em nota divulgada online.

O padre Mário de Sousa, presidente da Associação Bíblica Portuguesa, disse à Agência ECCLESIA que a escolha do biblista e poeta português deixa a Igreja Católica “muito honrada”.

“É alguém com grande qualidade técnica, a nível bíblico, com grande profundidade a todos os níveis: profundidade humana, cultural, teológica. Toda a Igreja vai beneficiar com esta nomeação”, declarou.

O ministro da Cultura, por sua vez, falou no “reconhecimento de uma grande personalidade da cultura portuguesa”.

“É mesmo uma grande satisfação do ponto de vista pessoal e um reconhecimento da sua singularidade, não apenas em Portugal, mas no contexto da Igreja Católica. É uma decisão que nos deixa a todos, portugueses, muito contentes”, referiu Pedro Adão e Silva aos jornalistas, no final de uma conferência de imprensa sobre apoios financeiros da Direção-Geral das Artes.

OC

Notícia atualizada às 23h59

Vaticano: Papa nomeia cardeal Tolentino Mendonça como prefeito do Dicastério para a Cultura e a Educação

Partilhar:
Share