Festival Internacional Infanto-Juvenil «Canto pela Paz» procura unir povos, diz Filipe Costa

Lisboa, 10 nov 2021 (Ecclesia) – Filipe Costa, um dos dinamizadores do encontro inter-religioso infanto-juvenil ‘Canto pela Paz’, que se realiza este sábado, destacou que os participantes “querem ser construtores” de paz através da música e do canto.

“É um sonho que estas crianças e estes jovens, que agora estão a criar como se fosse uma onda de gestos de paz, de gestos de amor pelo mundo, possam ser uma geração futura que possa mostrar, a partir de Portugal, que a paz é possível, é absolutamente necessária”, disse à Agência ECCLESIA.

Filipe Costa assinala que as crianças e os jovens “serão sem dúvida os grandes construtores” da paz que querem que seja universal.

A 3ª edição do Festival Internacional Infanto-Juvenil ‘Canto pela Paz’, que conta com a participação de grupos do Líbano, Angola, Egipto, Caraíbas, Burundi, Colômbia, Portugal, entre outros países, vai realizar-se este sábado, a partir das 14h00 (em Lisboa), com transmissão online, e do auditório do Templo da Poesia, no Parque dos Poetas, em Oeiras.

“Todos estes jovens e crianças querem ser essa ajuda através da música, do canto, para unir os povos, as civilizações, para mostrar que as religiões, as culturas, não podem ser motivo de afastamento, de ódio, de guerra, mas, muito pelo contrário, têm de, com a sua riqueza, criar a união entre os povos”, desenvolveu.

Filipe Costa realça que as crianças e os jovens quando estão juntos “não fazem separação” de religiões, “seja o que for”, mas “brincam, conversam”, e é onde reside “a beleza”.

“Só por estarem juntos já mostram como somos todos iguais e a única coisa que temos é aproveitar o planeta da melhor forma e convivermos saudavelmente uns com os outros”, acrescenta.

O entrevistado adianta que a organização do festival internacional está em “permanente diálogo” com líderes religiosos, os responsáveis das várias igrejas, mas também autoridades politicas e de diversas associações que participam na realização deste evento.

O ‘Canto pela Paz’ conta com o apoio da Unidade Pastoral das Paróquias de Nova Oeiras e São Julião da Barra, no Patriarcado de Lisboa, das Comunidades Judaica, Muçulmana – Sunita e Ismaelita -, Hindu, Bahai, Budista, as Igrejas Evangélicas.

“Logo na primeira vez foi possível mostrar que em Portugal era possível juntar as diversas comunidades e construirmos a paz ou darmos este empurrão para a paz universal”, destaca Filipe Costa.

A 3.ª edição do Encontro Internacional Infanto-Juvenil ‘Canto pela Paz’ vai ter três grupos a atuar ao vivo, mas “ainda é fortemente” realizado pela internet, por causa da pandemia Covid-19, e pode ser acompanhado através do canal no Youtube, a partir das 14h00 deste sábado, dia 13 de novembro.

“A ideia é para o ano retomar a normalidade e trazer de todo o mundo esses grupos e juntar os nacionais com a presença do público”, conclui o entrevistado desta quarta-feira no Programa ECCLESIA (RTP2), reafirmando que “a paz é possível e não é uma utopia”.

HM/CB/OC

Partilhar:
Share