Padre Manuel Barbosa sublinha que dioceses estão a preparar contributo para responder ao pedido do Papa

Fátima, 12 out 2021 (Ecclesia) – O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse hoje que a fase diocesana do Sínodo convocado pelo Papa, que decorre até abril de 2022, está aberta a todos os contributos.

O padre Manuel Barbosa referiu, em conferência de imprensa, que este é um passo “importante” para a escuta recíprocas, procurando “elementos que ajudem a um compromisso maior com o espírito, que ajudem na renovação da Igreja”.

O percurso para a celebração do Sínodo está dividido em três fases, entre outubro de 2021 e outubro de 2023, passando por uma fase diocesana e outra continental, que dará vida a dois instrumentos de trabalho diferentes distintos, antes da fase definitiva, ao nível mundial.

A assembleia convocada pelo Papa Francisco tem como tema ‘Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão’.

A CEP promove uma reunião pré-sinodal, coincidindo com a sua Assembleia Plenária de primavera, em abril de 2022.

O padre Manuel Barbosa falou num processo que “envolve todas as dimensões da Igreja” e onde “todos têm voz”.

“Todas as dioceses estão a trabalhar nesse sentido, têm já uma pessoa de contacto e algumas já constituíram e divulgaram as chamadas equipas sinodais”, acrescentou.

O porta-voz da CEP apontou a um trabalho de “longe alcance”, que conta com a presença de “muitos jovens”.

“É preciso ir a todo o lado, escutar”, insistiu.

A CEP vai discutir em novembro um ‘Itinerário de Iniciação à Vida Cristã’, com as crianças, adolescentes e famílias, preparado pela Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé e trabalhado nas várias dioceses, “em estilo sinodal, de auscultação”, informou ainda o padre Manuel Barbosa.

A Assembleia Plenária de novembro vai contar com a presença de D. Juan Ignácio Arrieta, secretário do Conselho Pontifício para os Textos Legislativos (Santa Sé), para uma formação sobre o Livro VI do Código de Direito Canónico, recentemente alterado, reformando a disciplina penal que existe desde 1983.

Quanto à JMJ 2023, que vai decorrer em Lisboa, de 1 a 6 de agosto, o secretário da CEP destacou que o processo iniciado há dois anos vem conhecendo novos passos.

“Um momento importante do processo dessa Jornada Mundial da Juventude é a peregrinação dos símbolos, a cruz e o ícone de Maria”, que estão a percorrer a Espanha até final de outubro e em novembro iniciam o seu percurso pelas dioceses portuguesas.

PR/OC

Partilhar:
Share