Na celebração de Sexta-feira Santa, D. Anacleto Oliveira recordou que “o segredo da vida é usá-la para dar vida aos outros”.

Agência Ecclesia/MC

Viana do Castelo, 10 Abr 2020 (ECCLESIA) – O Bispo de Viana do Castelo, D. Anacleto Oliveira, presidiu, na tarde desta Sexta-feira Santa à celebração da Paixão do Senhor e convidou os cristãos a colocarem na cruz de Cristo quantos estão infetados e sofrem por causa do vírus.

Na sua homilia, o bispo de Viana do Castelo começou por observar uma das iniciativas “mais interessantes desta Semana Santa”: “A colocação de cruzes, por parte dos cristãos, nas portas ou nas varandas das suas casas”.

Recordando que a cruz é usada desde há muitos séculos para diversos fins com diferentes dimensões simbólicas, explicou que, no século III A. C., esse objeto passou a ser usado “como o flagelo mais terrível para matar as pessoas: fisicamente insuportável, moralmente e socialmente degradante”.

Depois, D. Anacleto Oliveira acrescentou que “é numa cruz dessas que Jesus é lentamente crucificado e passa o momento mais decisivo da sua vida, dando um sentido novo à cruz”.

Tendo presente a situação atual, D. Anacleto Oliveira questionou: “Quem são aqueles que podemos, hoje, colocar nessa cruz?”. E apontou a resposta: “Não tenho dúvidas. Hoje, as pessoas que aí colocamos são, em primeiro lugar, as que são infetadas pelo vírus, algumas das quais entregaram já o seu espírito a Deus. Além dessas pessoas, vemos milhões que sofrem física ou psiquicamente por causa do vírus, sentindo o lado negativo da vida, e que também têm lugar nessa cruz”.

A todos convidou a descobrir que “o segredo da vida é usá-la para dar vida aos outros”.

LFS

Partilhar:
Share