Gabinete de comunicação diocesano reafirmou a «orientação de total intransigência» nestes casos 

Setúbal, 09 abr 2019 (Ecclesia) – A Diocese de Setúbal informou em comunicado que “tem conhecimento” da investigação de uma “denúncia de uma alegada situação de abuso de menores” num centro paroquial, está disponível para “apurar a verdade” e reafirmou “total intransigência” diante destes casos.

“A Diocese de Setúbal tem conhecimento que está a ser investigada a denúncia de uma alegada situação de abuso de menores nas instalações de um Centro Paroquial do concelho de Almada”, refere o documento publicado na página da internet diocesana.

De acordo com o Gabinete de Comunicação da Diocese de Setúbal,  “a instituição em causa adotou todas as medidas necessárias para a proteção das crianças e utentes, colaborando com as autoridades judiciais e outras competentes na investigação em curso, disponibilizando todos os elementos solicitados”.

O comunicado acrescenta que ao tomar “conhecimento dos rumores da eventual implicação de um Padre neste caso, solicitou ao Ministério Público de Almada a averiguação do caso e disponibilizou a sua total colaboração”.

“A Diocese de Setúbal reafirma a sua orientação de total intransigência perante qualquer situação de abuso de menores, estando disponível para apurar a verdade, em colaboração com as autoridades competentes, respeitando as pessoas envolvidas, e aguardando o desenvolvimento da averiguação em curso”, afirma o comunicado.

O Gabinete de Comunicação refere também a “completa disponibilidade” da Diocese de Setúbal para receber a mãe da criança.

Esta terça-feira, a direção do Centro Paroquial de Bem Estar Social de Cacilhas confirmou que em “janeiro de 2019 foi reportado pela mãe de um menor utente da pré-primária a
existência de um alegado abuso sexual” que terá ocorrido nas suas instalações, o que deu origem a “processos de investigação” e afirma que o pároco “não se encontrava nas
instalações deste centro à data dos alegados fatos”.

“A Direção do Centro Paroquial de Bem Estar Social de Cacilhas teve sempre a segurança e o bem estar dos seus utentes e crianças como objetivo principal, adoptando medidas de segurança adicionais nas instalações”, acrescenta o comunicado.

No início de fevereiro, o bispo de Setúbal afirmou em entrevista à Agência Ecclesia e à Renascença a “tolerância zero” diante de casos de abuso de poder sobre crianças.

“Não vou dizer que com isto vamos resolver o problema, e nunca mais vai haver situações de pedofilia. Gostaria de dizer isso a respeito todas as famílias, de todas as instituições de qualquer lado”, acrescentou.

Para D. José Ornelas, o combate aos casos de abuso sobre crianças tem de ser uma “preocupação constante” na Igreja Católica, não por uma “questão de imagem”, mas por “uma questão de justiça e de cuidado para com aqueles que são mais frágeis”.

PR

(Notícia atualizada no dia 10 de abril, às 9h30)

Partilhar:
Share