Projeto da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa funciona há dois anos

Foto: AE/SN

Lisboa, 15 fev 2020 (Ecclesia) – A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa promove a formação e o bem-estar dos cuidadores informais através de um “serviço gratuito e feito à medida”, com direito a “mimos que nunca são demais”.

“A formação ajuda a não desanimar, a ter mais energia, a seguir em frente e valorizar o lado de mãe, de esposa, e a gerir o tempo em casa, no relacionamento com os filhos e não ser só o tempo com a pessoa que cuida”, conta Benária Almeida em declarações à Agência ECCLESIA.

Esta cuidadora informal trata da sua filha de 39 anos, que sofre de paralisia cerebral e naquele espaço conquistou uma “nova forma de olhar e sentir a vida que tinha esquecido”.

Este é um dos objetivos deste serviço de apoio ao cuidador que conta com dois anos de ação e mais de 250 participações, onde a formação se alia ao bem-estar. 

“São duas faces da mesma moeda, está provado que quem cuida, precisa de se cuidar, portanto quando desenhámos este serviço apostámos nas duas vertentes: informar formando, em várias dimensões do cuidar e depois em grupos de auto ajuda”, explica a psicóloga Rosa Macedo.

Esta técnica está neste serviço da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desde o início e fala de uma grande “satisfação dos cuidadores” e de transformações de vida. 

“Esses cuidadores que estão connosco usufruem do espaço de manicure, cabeleireiro, de um almoço ou lanche que servem de socialização e de espaço para mimo, muitos deles não têm necessidade de se olhar ao espelho, e quando se olham vêem uma pessoa sofrida”, descreve.

A formação alia-se ao bem-estar no serviço de apoio ao cuidador da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, um projeto gratuito que teve como premissa as dificuldades que chegavam e se concretiza num centro de formação.

Também Helena Rosário é um dos membros desta equipa que compõe este serviço e é a pessoa que dá a formação, um espaço de partilha atenta às necessidades que cada cuidador traz. 

“Eles fazem o seu melhor, o que sabem, alguns vêm com noções, com as dinâmicas e depois aqui percebem outras coisas e dizem logo: ‘facilitou-me, é mais mais fácil e mais seguro’”, revela à Agência ECCLESIA esta terapeuta educacional. 

Este serviço funciona no Centro de Educação, Formação e Certificação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa o que traz uma mais valia para todos os cuidadores mas também para os formandos que por ali passam, “proporcionando muitas vezes um convívio inter geracional”.

“O centro de recursos do cuidador veio para o centro de formação porque havia conhecimento e uma equipa disponível com longa experiência com população idosa e com os cuidadores”, justifica Maria José Moreira, Diretora do Centro de Educação, Formação e Certificaçao da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Foto: AE/SN – Benária Almeida

No centro de formação Benária Almeida já fez a formação “que a ajudou muito” mas continua a ir ao grupo de auto-ajuda e a receber os mimos de bem-estar que ali lhe são proporcionados, “um tempo só para o cuidador”.

“Há momentos de descontração em que rimos e brincamos… Esses momentos de bem estar que a Santa Casa oferece, nunca pensei tanto mimo, é tanta coisa que nos surpreendia sempre”, confessa.

Esta cuidadora informal partilhou ainda com a Agência ECCLESIA que todos os cuidadores merecem um espaço assim.

“Acho que este serviço nos ajuda muito, este sair e estar com outros, os contactos com os técnicos ajuda muito e eu torço para que chegue a todos os cuidadores e acho que vai ser uma mais valia, vai ajudar muito”, deseja.

Os cuidadores informais é o tema em destaque no programa 70×7, deste domingo, 16 de fevereiro, na RTP 2, pelas 17h45.

SN

Partilhar:
Share