Até dezembro de 2021 rotas portuguesas são aposta do Turismo do Norte e da Galiza

Porto, 17 jan 2020 (Ecclesia) – O Turismo do Porto e Norte de Portugal e o Turismo da Galiza apresentaram esta quinta-feira o projeto “Facendo Caminho” com o objetivo de consolidar as rotas rumo a Santiago de Compostela, valorizando o património e a natureza.

Na apresentação do projeto, que decorreu no auditório do Paço Episcopal do Porto, os responsáveis afirmaram que objetivo passa por “consolidar as rotas do Caminho de Santiago, impulsionando-o como recurso patrimonial e natural transfronteiriço, capaz de gerar atividades turísticas e económicas que contribuam para o desenvolvimento socioeconómico do território”.

Para a diretora do Turismo da Galiza, Nava Castro, o Ano Santo, em 2021, e a abertura da Porta Santa prevista para este ano vão ser uma ocasião para um reposicionamento turístico entre Portugal e Espanha, com o desenvolvimento do projeto.

“Queremos que este projeto ajude a aprofundar os vínculos que já existem entre as duas regiões para gerar oportunidades de emprego em municípios que às vezes só têm 800 ou mil habitantes”, afirmou na sessão de apresentação.

Há várias rotas traçadas rumo a Santiago de Compostela, mas os caminhos portugueses, quer pela Costa como o Interior, são o segundo e terceiro mais procurado; o mais percorrido é o Caminho Francês.

O projeto tem um orçamento de cerca de 657 mil euros e é financiado pelo Programa Operativo de Cooperação Transfronteiriço Espanha Portugal (POCTEP), a partir de um Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Para a Direção Regional da Cultural do Norte (DGCN), parceira no projeto, esta é uma forma de comunicar a “cultura e o património cultural dos caminhos e das pessoas” apoiando “de forma prática”, indica António Ponte, o decreto-lei 51/2019 que afirma o processo dos Caminhos de Santiago, “caminhos de fé” que se tornaram “vias que facilitaram o intercâmbio cultural”.

Foto: João Lopes Cardoso

Estão previstas ações de promoção, comunicação, a elaboração de guias de boas práticas da gestão dos Caminhos de Santiago e também a criação de um ‘software’ de produção da cartografia.

O projeto vai decorrer até dezembro de 2021 e tem como parceiros Turismo do Porto e Norte de Portugal, a DRCN, o Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza/Norte de Portugal e a Turismo da Galiza.

Os Caminhos de Santiago, atualmente feitos por pessoas de 180 nacionalidades diferentes, são percursos de peregrinos, cuja tradição remonta ao século IX, que leva milhões de pessoas anualmente, à cidade na Galiza, para visitar o túmulo do apóstolo São Tiago.

LS

Partilhar:
Share