Fazemos o elogio do olhar noturno com a professora Helena Valentim: o olhar lento, que se esforça, tem outros ritmos e que nos convida a ver de outra maneira. Num tempo da visibilidade absoluta, na época das luzes leed que iluminam ostensivamente as nossas noites, impõe-se retomarmos o olhar na noite, um olhar que encara a escuridão e percebe o obscuro e a fragilidade inerente a qualquer ver.

Partilhar:
Share