Corremos o risco de confiar o comando da vida espiritual a um piloto automático, dar por adquirido o que depende efetivamente da humilde construção de todos os dias, ritualizar de forma mecânica aquilo que pede de nós espontaneidade, afeto e um sim criativo, sempre a ser renovado. A fé não é um pódio: é uma estrada.

Partilhar:
Share