Padre Ricardo Figueiredo espera canonização e declaração como padroeiro dos Informáticos

Foto: obidosdiario.com

Lisboa, 20 out 2019 (Ecclesia) – O padre Ricardo Figueiredo, do Patriarcado de Lisboa, assina o livro ‘Não eu, mas Deus – Biografia espiritual de Carlo Acutis’, um jovem que morreu aos 15 anos e que o Papa Francisco apresentou como modelo de santidade.

“Carlo começa desde pequenino a dar sinais de fé e de amor a Jesus, com várias histórias que se vão contando, das amas, da própria mãe”, disse o autor, em entrevista à Agência ECCLESIA.

O sacerdote, pároco em Óbidos, contextualiza que descobriu a vida Carlo Acutis quando foram aprovadas as suas virtudes heroicas, em julho de 2018.

Segundo o autor da biografia espiritual, Carlo Acutis cresce com um percurso “normal de vida”, é um “jovem normalíssimo na escola”, onde também “cuida da vida cristã” e em frente aos colegas “mostra o desejo de ter formação cristã”, e, por exemplo, num debate na sua turma, foi “o único contra o aborto”.

O padre Ricardo Figueiredo destaca que o jovem se revelou também “um grande informático”, “um gosto pessoal com alguma chave já profissional”; os amigos engenheiros informáticos dos pais diziam que era “um génio” e uma colega da escola conta que para ele deviam “saber programação” e não apenas conhecer a ótica do utilizador.

Neste contexto, adianta que espera que o Carlo Acutis venha a ser declarado como santo padroeiro dos informáticos, mostrando “como a informática é meio de santificação pessoal e também dos outros”.

O sacerdote recorda a “grande surpresa” que teve quando já tinha terminado a primeira redação do livro e ouviu o Papa Francisco propor Carlo Acutis como “modelo de vida”.

“Senti-me muito confirmado e a certeza que seria uma história que marcaria e ajudaria muitos dos nossos jovens católicos a serem santos”, explicou.

Na sua exortação apostólica pós-sinodal ‘Christus Vivit’ (Cristo Vive), o Papa refere aos jovens e a todo o povo de Deus que o venerável Carlos Acutis usou os meios digitais, “as novas técnicas de comunicação”, para “transmitir o Evangelho, para comunicar valores e beleza”.

“Não caiu na armadilha. Via que muitos jovens, embora parecendo diferentes, na verdade acabam por ser iguais aos outros, correndo atrás do que os poderosos lhes impõem através dos mecanismos de consumo e aturdimento”, escreveu Francisco no documento que surgiu depois do Sínodo dos Bispos ‘Os jovens, a fé e o discernimento vocacional’, realizado em outubro de 2018.

No livro ‘Não eu, mas Deus – Biografia espiritual de Carlo Acutis’, publicado pela Paulus Editora, há também uma memória fotográfica onde se mostra a passagem do jovem venerável por Portugal, nomeadamente Lisboa e Fátima.

Carlo Acutis nasceu em maio de 1991, em Londres onde os pais estavam a trabalhar, faleceu em setembro 2006, com 15 anos, vítima de uma leucemia fulminante, e tem a decorrer o processo de canonização.

PR/CB/OC

 

Partilhar:
Share