«Dificilmente, sem conversão pastoral e pessoal, veremos acontecer sinodalidade connosco e entre nós» – D. Rui Valério

Foto: Padre Guilherme Peixoto

Lisboa, 21 out 2021 (Ecclesia) – O bispo das Forças Armadas e de Segurança de Portugal incentivou hoje à “conversão pessoal e pastoral” na celebração de início da caminhada sinodal no Ordinariato Castrense, “uma diocese diferente das outras”, na Igreja da Memória, em Lisboa.

“Dificilmente, sem conversão pastoral e pessoal, veremos acontecer sinodalidade connosco e entre nós. Se não nos convertermos não ‘caminharemos juntos’. Convido-vos a pormo-nos à escuta da Palavra de Deus e, com humildade e espírito de santidade, acolhamos a criatividade da sua luz”, disse D. Rui Valério na homilia da celebração enviada à Agência ECCLESIA.

O responsável disse que capelães e leigos da Diocese das Forças Armadas e das Forças de Segurança são “dom do Senhor, para os outros”.

“A conversão reside nessa relativização do eu; implica a desmontagem da conceção que cada um faz de si mesmo, muitas vezes desmedida, exagerada e enganadora”, assinalou.

‘Sem conversão não há sinodalidade’ foi o tema da homilia de D. Rui Valério.

‘Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão’ é o tema do Sínodo dos Bispos, convocado pelo Papa Francisco, a 16ª assembleia geral vai decorrer em outubro de 2023, e é precedida por um processo de consulta com assembleias diocesanas e continentais, que começou, este domingo, nas Igrejas particulares.

O bispo das Forças Armadas e das Forças de Segurança convidou a apontar baterias para a formação, para não “reduzir” a Igreja a um “mero ‘clube’ de honestos voluntários” ou limitá-la, “identificando-a com um conjunto de homens e mulheres de boa vontade”.

O início da caminhada sinodal na Diocese das Forças Armadas e de Segurança decorreu sob a inspiração da Páscoa, com a celebração crismal, e sob a proteção do padroeiro São João de Capristano.

Na celebração foi apresentada a equipa de leigos da caminhada sinodal, que tem como coordenador o padre Leonel Castro, e é constituída por um elemento de cada ramo das Forças Armadas – Marinha, Força Aérea e Exército – e das Forças de Segurança – GNR e PSP: Tenente-general Joaquim Almeida, coronel Paulo Pereira Zagalo, superintendente-chefe Pedro Lopes Clemente, 1º sargento André Justino Leandro e capitão-tenente Mariana Cirne de Vasconcelos Araújo de Brito.

Os presentes rezaram a oração pelo sínodo e foi oferecido um exemplar da Revista ‘Lumen’, da Conferência Episcopal Portuguesa, com os documentos do Sínodo dos Bispos 2021/2023.

Os capelães que passaram à reforma este ano receberam uma prenda simbólica de agradecimento pelo serviço prestado às Forças Armadas e Forças de Segurança.

CB/OC

Partilhar:
Share