Semana Nacional da Educação Cristã decorre de 2 a 9 de outubro

Foto: Externato Frei Luís de Sousa

Lisboa, 27 set 2022 (Ecclesia) – A Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF) apelou hoje a uma “aliança educativa” alargada, que envolva as instituições ou associações implicadas, incluindo as famílias, escolas, instituições católicas e da sociedade civil.

“Numa cultura globalizada e complexa, alcançaremos melhor os frutos desejados se os educadores cristãos trabalharem unidos e conjugarem os seus esforços, sem se isolarem no seu grupo ou na sua área pastoral”, refere o organismo, na nota pastoral para a próxima Semana Nacional da Educação Cristã 2022, que decorre de 2 a 9 de outubro.

Esta aliança, sublinham os membros da comissão, está em “profunda sintonia com o caminho sinodal” convocado pelo Papa, entre outubro de 2021 e 2023.

“O educador cristão é chamado a acompanhar o seu grupo, fazendo-se presente e estando disponível para animar a participação concertada dos vários intervenientes da Educação”, apelam.

O texto, enviado à Agência ECCLESIA, tem como tema ‘O educador cristão, um guia no caminho’.

“A designação ‘guia-educador’ realça a dimensão da experiência pessoal, a dinâmica do caminho e do crescimento, a presença próxima e o acompanhamento. Contorna, assim, a imagem do ‘professor’, sentado na ‘cátedra’ do saber, ou a de um pedagogo centrado apenas nos métodos da pedagogia”, pode ler-se.

Atualmente, é necessário ensinar a amar, pois o individualismo e o egoísmo marcam o nosso tempo e a nossa cultura. Mostram-se como o caminho largo do êxito e das vantagens pessoais, mas fecham a pessoa em si mesma e no seu bem individual”.

Os responsáveis da CEECDF convidam a acolher a “riqueza pessoal” de todos, educando “com amor e para o amor”.

“Ensinar a amar será, assim, libertar os educandos do individualismo, despertando-os para o bem comum e para uma fraternidade aberta a todos, sem fronteiras geográficas, culturais ou religiosas”, advertem os bispos.

A nota conclui-se com uma referência à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que Lisboa vai acolher, de 1 a 6 de agosto de 2023, “um convite a tomar parte num movimento de saída apressada ao encontro do outro”, e um apelo: “Façamos juntos o caminho da Educação”.

OC

 

Partilhar:
Share