Padre Rubens Marques adianta que «primeira celebração» é vigília de Pentecostes com batismo de catecúmenos adultos

Porto, 20 mai 2020 (Ecclesia) – O pároco da Senhora da Conceição, na cidade do Porto, adinatou que já têm “sinalética na igreja”, os lugares marcados, e dispensadores de gel para o regresso comunitário das Missas, com uma “vigília de Pentecostes”.

“A primeira celebração será a Vigília de Pentecostes, no dia 30, com Eucaristia às 21h00, e onde faremos o batismo de três catecúmenos adultos”, disse o padre Rubens Marques em declarações à Agência ECCLESIA.

O sacerdote da Diocese do Porto referiu que as pessoas “manifestam muito” que querem o regresso das celebrações comunitárias das Missas e “a pergunta mais frequente é: Quando é que vamos poder ter de novo Eucaristia”.

“Já temos a sinalética toda colocada de entrada e saída na igreja, para as pessoas saberem orientar-se, temos os lugares já todos marcados com um coração onde as pessoas podem estar sentadas, e algumas até de pé. E temos já a sinalética dos locais para a Sagrada Comunhão e barras que irão distanciar as pessoas dois metros enquanto esperam para receber o Corpo de Cristo”, desenvolveu o padre Rubens Marques

O pároco da comunidade da Senhora da Conceição, na Praça Marquês de Pombal (Porto), acrescenta que também já instalaram “aparelhos com sensor, à entrada da igreja, para que as pessoas possam desinfetar as mãos” quando chegam e vão ser constituídas “as equipas de acolhimento para as várias celebrações”.

Segundo o sacerdote, esta igreja “esteve sempre aberta, 12 horas por dia, para a oração individual” durante esta pandemia do coronavírus Covid-19 que suspendeu as celebrações comunitárias e “sempre com muita procura” porque “é uma igreja grande e arejada” e as pessoas “estavam distantes umas das outras”.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) publicou orientações para a celebração do culto público católico no contexto da pandemia covid-19, com normas para higienizar os espaços e as pessoas e celebrar os vários sacramentos sem o contacto físico, depois de ter anunciado o regresso das Missas comunitárias a 30 de maio, véspera da Solenidade do Pentecostes; A suspensão das celebrações comunitárias foi determinada a 13 de março, antes da proclamação do estado de emergência por parte das autoridades nacionais.

O bispo do Porto também publicou um documento com normas e orientações para preparar o regresso “eventual e progressivo” das celebrações comunitárias na diocese.

A paróquia portuense Senhora da Conceição tem um centro social com diversas valências, como a sala de convívio para a terceira idade e a sala de ocupação dos tempos livres, e estão a preparar-se para abrir o pré-escolar, no dia 1 de julho, e o serviço do apoio domiciliário “esteve sempre” a funcionar, para além do Projeto ‘Porta Solidária’, que já serviu 23 911 refeições desde 12 de março.

“Estamos a estudar o projeto para que seja compatível a presença das crianças com a presença das pessoas que vêm comer à noite criando trajetos completamente diversos porque é necessário protegermos uns e protegermos outros. As famílias também se sentirão mais seguras se o trajeto for diferenciado, bem como os horários de refeições, locais de refeições, não haverá espaços partilhados”, concluiu o padre Rubens Marques.

CB

 

Partilhar:
Share