Comunidades são convidadas a rezar a mesma oração nas celebrações deste domingo

Porto, 19 jan 2020 (Ecclesia) – As comunidade Cristãs das Igrejas Católica, Lusitana, Anglicana, Metodista, Luterana e Ortodoxa no Porto vão rezar hoje para que Deus “proteja todas as famílias da violência doméstica” e “ampare” as que vivem esse sofrimento.

“É a família que nos sustenta, nos orgulha e nos realiza. Normalmente, amamos a nossa família com o mesmo amor com que nos amamos a nós próprios”, lê-se na informação que foi enviada às diversas comunidades cristãs que integram o movimento ecuménico no Porto.

A iniciativa das igrejas cristãs do Porto decorre no âmbito da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos e consiste na proposta de uma oração para as celebrações dominicais das Igrejas Católica, Lusitana, Anglicana, Metodista, Luterana e Ortodoxa “por uma família que se define, se constrói e se une pelo Dom que Deus faz de Si próprio no amor”.

Oração:
«Rezamos por um amor livre, mas comprometido;
Amor gratuito e que também sabe receber;
Amor intenso, mas equilibrado;
Amor apaixonado e ao mesmo tempo consciente…
Rezamos por um amor mais forte do que a fraqueza,
Mais entregue do que pedido,
Mais doado do que um direito.O Filho de Deus encarnado ensina-nos que todos merecemos ser amados assim. E os outros também merecem ser assim amados por nós.
Hoje pedimos a Deus, Pai de todos nós, pelo seu Filho Jesus Cristo, no Amor do Espírito Santo, que a violência não entre nas nossas casas e todos vivam em paz.
Ámen.»

 

O jornal ‘Voz Portucalense’ informa que o bispo do Porto pediu aos seus sacerdotes que um leitor faça “a oração em nome de toda a assembleia”, “em todas as Missas de preceito”, depois da Comunhão.

D. Manuel Linda incentivou também que os padres da diocese falem nas homilias sobre violência doméstica, “se lhe parecer oportuno”, desenvolvendo, ideias como: “O projeto de Deus para a humanidade é de fraternidade; muito mais a nível da família” e a sua falha ou falta de colaboração “é grave”.

“A violência deixa marcas indeléveis na mente dos filhos; o cristão, que não o é só de nome, tem de dar especial testemunho de unidade familiar; por isso, que o dia de hoje constitua como que o início de uma nova mentalidade”, desenvolveu.

Na carta aos sacerdotes, o bispo do Porto contextualizou que perante “a gravidade da violência doméstica, algo a que a consciência social reage fortemente”, os “hierarcas” das Igrejas Cristãs na área da diocese e que pertencem ao movimento ecuménico do Porto combinaram um “gesto de repúdio desse género de violência e de invocação do Espírito de Deus”.

Em 2019 houve mais de 30 mortes por violência doméstica, em Portugal, e esta oração conjunta na Semana de Unidade pela Oração dos Cristãos, que começa este sábado, foi anunciada por D. Manuel Linda, através da sua conta na rede social Twitter, no dia 3 de janeiro.

Em declarações à Agência ECCLESIA, o responsável pela Comissão Ecuménica Diocesana do Porto (Igreja Católica) explicou que estas Igrejas Cristãs querem “associar com a oração, com a sensibilidade, das comunidades”, para contribuírem “de alguma forma” para a violência doméstica se resolva”.

“Há de ter a sua importância na sensibilização, na educação, é essa a intenção”, disse o padre Mário Henrique Melo.

No âmbito do Oitavário de Oração, as Igrejas Cristãs do movimento ecuménico do Porto – Igreja Lusitana de Comunhão Anglicana, Igreja Anglicana, Igreja Metodista, Igreja Evangélica Luterana, Igreja Ortodoxa do Patriarcado de Moscovo, Igreja Ortodoxa do Patriarcado de Kiev – vão reunir-se na “tradicional oração conjunta”, que vai ter como pregador D. Manuel Linda, pelas 21h30 de 24 de janeiro, na igreja Metodista.

A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 recorda o drama dos migrantes e refugiados no Mediterrâneo, com propostas vindas de Malta.

CB/PR

Partilhar:
Share