D. Antonino Dias aponta à Jornada Mundial da Juventude 2023, um evento «para todos»

Foto: Comissão de Gestão do Património Religioso – Diocese de Portalegre-Castelo Branco

Portalegre, 29 set 2020 (Ecclesia) – O bispo de Portalegre-Castelo Branco referiu que os católicos da diocese têm de “viver como verdadeiros discípulos, de sair, ir e ensinar”, sublinhando que a vida da Igreja “não para”, mesmo num “ano pastoral sob a ameaça de má companhia” da Covid-19.

“A pastoral é uma nobre e necessária atividade em prol da humanidade, tem de fazer parte desse arriscar e dum constante resolver, com competência e criatividade. Mesmo que não seja fácil, é o desafio, é a provocação”, escreve, numa mensagem para o início do ano pastoral 2020/2021.

O bispo diocesano assinala que “uma das muitas consequências da pandemia” foi a alteração da data da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Lisboa, adiada para 2023, “a verdadeira baliza” para onde mobiliza a diocese a “apontar as ações e escolhas”, durante os próximos anos.

Na mensagem ‘Um ano pastoral sob a ameaça de má companhia – a vida da Igreja não para’, o responsável católico pede que as comunidades “estejam despertas para as exigências e as possibilidades evangelizadoras das pré-jornadas”, as semanas missionárias antes da JMJ 2023, como “oportunidade de conversão pastoral”, pelo acolhimento de jovens que “atravessarão a diocese em direção a Lisboa”.

Queremos que este acontecimento não se limite a acontecer perto de nós, mas que aconteça connosco, nos jovens que se preparam para participar presencialmente, mas não só. A Jornada Mundial da Juventude, como horizonte, não é uma coisa apenas para os mais novos, nem apenas para o Secretariado Diocesano da Pastoral da Juventude e Vocações. É para todos”.

D. Antonino Dias informa que o novo ano pastoral vai procurar retomar a “dinâmica interrompida”, em março, após o confinamento, “com o propósito de perguntar aos jovens: “Que Igreja? Que Igreja veem? Que Igreja querem? Que Igreja sonham? E, sobretudo, com que Igreja se comprometem?”.

Num documento publicado online, o bispo de Portalegre-Castelo Branco sublinha que a Igreja “não pode esquecer que ficou incumbida de anunciar a todos os povos, sempre com o tal novo vigor, novo entusiasmo, nova linguagem, novas formas de ação, com criatividade, humildade, alegria, em sinodalidade”.

“Se as coisas tivessem corrido normalmente, sem a má companhia da Covid-19”, escreve, a abertura oficial do ano pastoral na diocese teria acontecido no dia 26 de setembro; em alternativa, os jovens reuniram-se numa “oração ao jeito de Taizé”, em três locais da diocese e em conformidade com as normas sanitárias, com muitos participantes online.

A poucos dias do início do outubro missionário, D. Antonino Dias destaca ainda a mensagem do Papa às Obras Missionárias Pontifícias (OMP) e a mensagem para o Dia Mundial das Missões 2020.

CB/OC

Partilhar:
Share