Projeto, que inclui também a Oração da Jornada Mundial da Juventude em braille e pictogramas, foi desenvolvido pelo Instituto Politécnico de Leiria

Lisboa, 05 dez 2022 (Ecclesia) – A Fundação JMJ Lisboa 2023 apresentou hoje a primeira edição em português das meditações do terço em linguagem inclusiva, que permite “a todos poderem rezar em conjunto”.

Carmo Diniz, responsável pelo Gabinete de Diálogo e Proximidade do Comité Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 considera que que se trata de uma “ferramenta muito importante para a inclusão”.

“Não existem em português nenhumas meditações do terço em formato de comunicação para todos. Fica um legado para quem quiser rezar o terço, daqui para a frente, em preparação, durante a semana e, para além disso, pode sempre rezar o terço com recurso a esta ferramenta”, afirmou à Renascença e à Agência ECCLESIA na sessão de apresentação das meditações em linguagem inclusiva.

O projeto foi desenvolvido pelo Centro de Recursos para a Inclusão, do Instituto Politécnico de Leiria (IPL), e é resultado de um ano de trabalho, que envolveu uma tese de doutoramento, para traduzir a mensagem das meditações do terço nos diferentes formatos de comunicação, nomeadamente a linguagem pictográfica, braile e códigos QR que remetem para a Língua Gestual Portuguesa e para o ficheiro áudio com a leitura dos textos.

“Nós não trabalhamos os textos e, través os pictogramas, tentamos adaptar toda a mensagem para que possa chegar a pessoas que não conseguem ler, que têm alguma incapacidade intelectual, que não dominam a língua portuguesa e não vão dominar alguns dos formatos, porque vai ser impossível traduzirmos para todos os formatos”, afirmou Célia Sousa, coordenadora do Centro de Recursos para a Inclusão Digital (CRID) do IPL.

Para o presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, a ferramenta hoje apresentada é uma forma de “fazer chegar o convite a todos”, se “sintam verdadeiramente acolhidos” e a “experiência da Jornada seja verdadeiramente positiva”

“Quem nos parece diferente não é um problema ou um obstáculo, mas uma oportunidade e uma riqueza. Isso também é a Jornada a acontecer”, afirmou D. Américo Aguiar.

O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023 destacou “exemplos positivos” na área da comunicação inclusiva, nomeadamente no Santuário de Fátima, na Arquidiocese de Braga e também no Patriarcado de Lisboa” com a a presença de intérpretes de Língua Gestual Portuguesa nalguma celebração, acrescentando que ainda há “muito caminho a percorrer” nesta área.

D. Américo Aguiar sublinha que é necessário acolher “com naturalidade e normalidade uma irmã e um irmão que nos coloca desafios novos”, o que “significa muito caminho a percorrer na área da comunicação” para que seja normal, em qualquer comunidade, corresponder “à necessidade de A, B e C”.

A edição com as meditações do terço em linguagem inclusiva, assim como da oração da JMJ Lisboa 2023, foi distribuída para todas as dioceses do país através dos Comités Organizadores Diocesanos da JMJ Lisboa 2023, assim como através dos parceiros do Gabinete de Diálogo e Proximidade do COL, nomeadamente Corpo Nacional de Escutas, Federação das Associações de Paralisia Cerebral, Humanitas, Irmãos de São João de Deus, Irmãs Hospitaleiras e Movimento Fé e Luz.

PR

Partilhar:
Share