Braga, 15 out 2021 (Ecclesia) – A Confraria do Bom Jesus do Monte, na Arquidiocese de Braga, tem disponível uma visita virtual guiada à sua basílica, uma nova ferramenta para “divulgar e valorizar” o património do santuário.

Num comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, o presidente da confraria assinala que se trata de uma ferramenta inovadora que permite a qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo, visitar pormenorizadamente o exterior e interior da Basílica do Bom Jesus.

O cónego Mário Martins refere ainda que esta aplicação permite, também, às escolas trabalharem este património mundial com os seus alunos, através de aulas e trabalhos mais interativos.

“A visita virtual, sendo uma forma de comunicar, interagir e dar a conhecer a beleza e riqueza de um espaço Património Mundial a todas as pessoas, permite ao visitante fazer uma experiência aproximada à de uma visita presencial”, desenvolve a Confraria do Bom Jesus do Monte.

“Pode escolher onde começar ou parar, que objetos ver e que percurso realizar, disponibilizando orientações que ajudam o visitante a tirar o melhor partido da sua visita, com informações sobre aspetos artísticos e litúrgicos e tem em consideração os vários públicos e os seus diversos interesses”, acrescenta.

Segundo o cónego Mário Martins, a nova ferramenta sublinha também a dimensão religiosa de um espaço que, no percurso e conteúdo apresentados, propõe uma oportunidade de reflexão e interioridade, de transmissão da mensagem evangélica, em todo o seu esplendor.

A visita virtual guiada à Basílica do Bom Jesus, que está disponível no sítio online da confraria, é essencial para um bem Património Mundial da UNESCO: “Um espaço sem fronteiras, capaz de criar um diálogo virtual com o visitante, dando-lhe uma visão dinâmica, multidisciplinar e um contato interativo com o espaço”.

Contudo, para o presidente da Confraria do Bom Jesus do Monte, na Arquidiocese de Braga, a prioridade será sempre estimular a curiosidade para uma visita presencial à basílica e a toda a área do Bom Jesus.

A 7 de julho de 2019, o santuário português foi inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO, uma candidatura apresentada em janeiro de 2014.

O conjunto arquitetónico do Bom Jesus do Monte é considerado um ‘ex-líbris’ da cidade de Braga; em 1373 já existia uma ermida dedicada à Santa Cruz.

O atual templo que remata o escadório, com as Capelas e Passos da Paixão, foi concluído em setembro em 1811, substituindo um antigo templo barroco que vinha do tempo de D. Rodrigo de Moura Teles (1704-1728).

CB

Partilhar:
Share