D. António Augusto Azevedo vive dias de recolhimento, com atenção à realidade diocesana

Vila Real, 10 abr 2020 (ECCLESIA) – O bispo de Vila Real, D. António Augusto Azevedo, considera numa mensagem enviada à Agência ECCLESIA que este “tempo especial”, de isolamento social, é propício para uma “maior riqueza interior e espiritual”.

“É um tempo propício para a oração, para o silêncio, para a leitura e para o estudo”, assinala D. António Augusto Azevedo.

Na sua vida pessoal, como “a da maioria” das pessoas, “estes dias de quarentena”, têm sido “especiais”, de maior recolhimento, embora o prelado tenha “de fazer com que a vida da Igreja continue a funcionar”.

Este período de isolamento social, devido à pandemia de Covid-19, obrigou a uma diminuição drástica com o exterior, permitindo “fazer o trabalho pedido com mais paz e tranquilidade”, sublinhou o bispo de Vila Real.

Esta “experiência nova” levou o responsável católico a “fazer um trabalho diferente” e a “um desafio interessante”, porque teve de procurar “novas formas, novos modelos de fazer pastoral”.

  1. António Augusto Azevedo agradece o “entusiasmo e a colaboração do clero da diocese” e, de modo especial, os secretariados que têm sido desafiados “a propor trabalhos e subsídios para as famílias e para os jovens”.

A situação dos mais frágeis das instituições sociais tem sido uma preocupação, perante a crise que “ainda vai durar algum tempo deixará fortes marcas na vida pessoal e na vida da Igreja”.

A diocese tem “ido ao encontro das pessoas”, com Missas transmitidas pela internet e pelas várias redes sociais”, procurando incentivar uma maior comunhão da família e das comunidades.

Ao longo da Semana Santa, a ECCLESIA publica mensagens em vídeo dos bispos portugueses, com a colaboração dos serviços diocesanos, a respeito da celebração da Páscoa em tempos de pandemia.

LFS/OC

A Agência Ecclesia agradece às várias dioceses o envio da gravação das mensagens pascais

Partilhar:
Share