Pedro Nascimento está há 16 meses na Etiópia como Leigo Missionário Comboniano

Lisboa, 01 out 2020 (Ecclesia) – O português Pedro Nascimento está há 16 meses junto dos gumuz, na Etiópia, integrando a equipa dos Leigos Missionários Combonianos (LMC), ao serviço da população local.

“Foi uma decisão muito pensada”, refere à Agência ECCLESIA o missionário alentejano, natural do Ervedal (Concelho de Avis).

Depois de passar pelo norte de Moçambique, Pedro Nascimento sentiu o desejo de dar mais para a missão e dar mais de si.

“Senti esta vocação e, depois de ter feito um curso de dois anos com os LMC, senti este desejo de partir”, explica.

A Etiópia foi um desafio assumido em março de 2019, data em que chegou à capital Addis Abeba.

“Estive aí seis meses para conhecer o país, aprender a língua principal e o contacto com as Eucaristias no rito etíope”, indica.

O leigo missionário reconhece que a ideia de Missão está ainda muito associada aos religiosos e religiosas, ou aos jovens voluntários que fazem experiências de índole humanitária, mas por vezes sem grande motivação religiosa.

Nós leigos, na Igreja e na nossa fé, para além deste desejo de ir ao outro, da solidariedade e da comunhão, também temos o desejo da fé, da evangelização, de anunciar Jesus Cristo com a nossa vida”.

Pedro Nascimento sublinha a importância dos leigos porque no seu entender “conseguimos chegar a áreas onde o religioso tem mais dificuldade” daí que considera que a Igreja deve apostar mais na ação missionária dos leigos.

O território de Missão que os Combinianos lhe reservaram estava a 545 quilómetros de distância, já perto da fronteira com o Sudão; foi ali que descobriu um povo historicamente escravizado e que permanece à margem do desenvolvimento.

“É um lugar de primeira evangelização e um povo que há uns anos atrás ainda não tinha ouvido falar de Jesus”, salienta.

“É uma realidade dura, por vezes marcada pela intolerância étnica entre os povos vizinhos, mas é um momento único para falar de Jesus e para o anunciar com a nossa vida, o nosso testemunho e o nosso trabalho”, acrescenta.

O povo etíope sente o impacto da pandemia de Covid-19 e o confinamento também foi ali uma experiência que chegou aos momentos celebrativos da fé.

Pedro Nascimento recorda que a dada altura: “Estávamos sempre em casa e foram as pessoas que vieram ter connosco para pedir o reinício das atividades missionárias”.

“Percebi que Deus já ali estava, não fui eu que o levei”, aponta este jovem, que percebe nos rostos e no afeto daquele povo a presença do divino.

Este nosso povo ainda usa arco e flecha e vive da agricultura. Tem uma palhota para doze ou treze pessoas”.

O trabalho missionário na Etiópia é também condicionado pelas rivalidades étnicas que continuam a gerar violência entre os povos vizinhos.

Segundo a ONU, o número de deslocados internos ascende a mais de um milhão.

“Um dos meus trabalhos era visitar um grupo de deslocados, estar com as crianças e com as famílias que estavam numa escola perto de nós, e cuja aldeia tinha sido incendiada e destruída, durante o tempo da Páscoa, com várias vítimas mortais”, assinala.

Pedro Nascimento está de regresso à Etiópia por mais nove meses: “O que me motiva são as pessoas, a alegria da missão revela-se através das pessoas a que Deus nos envia, e através da oração que tem sido muito importante para mim neste tempo de missão”.

Os LMC são um Movimento de cristãos católicos que, tocado pelo chamamento de Deus e segundo o Carisma de São Daniel Comboni, se sentem impelidos a anunciar Jesus Cristo àqueles que ainda não o conhecem.

Sinal da missionaridade das Igrejas locais, partem para outros povos ou culturas, por períodos de 2 anos ou mais, num compromisso apaixonado que se mantém após o regresso.

HM/OC

Covid-19: Igreja assume desafios da pandemia na celebração do outubro missionário

Partilhar:
Share