«A nossa missão é a caridade», afirma D. Rui Valério

Lisboa, 06 mar 2019 (Ecclesia) – O bispo das Forças Armadas e Forças de Segurança informou que a renúncia quaresmal 2019 é para a construção de uma cantina social em São Tomé e Príncipe, na mensagem para a Quaresma.

“A urgência deste refeitório é ditada pela preocupação real em alimentar pessoas”, explica D. Rui Valério, que em janeiro visitou esta obra social no país lusófono e comprovou as suas necessidades.

A cantina social pertence a uma obra das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, em Neves, São Tomé e Príncipe, e a Diocese das Forças Armadas e Forças de Segurança vai ajudar a construir com o “fruto” da renúncia quaresmal.

Segundo o bispo do Ordinariato Castrense a celebração da Quaresma, que começa hoje, no contexto do Ano Missionário especial, que a Igreja Católica em Portugal está a viver, proporciona “uma ocasião para meditar sobre a relação entre missão e caridade, entre ser enviado e amar”.

“No meio militar e nas forças de segurança, onde operamos, é importante ter viva a consciência de que a nossa ação de serviço e de cumprimento do dever, também poderá ser ação eclesial, se for realizada e vivida num autêntico espírito missionário. Por isso, devemos resistir à tentação de nos fecharmos e de nos isolarmos no nosso mundo e nunca ousarmos ir ao encontro de alguém para lhe levar, quanto mais não seja, uma palavra de alento”, desenvolveu.

A Quaresma, assinala, ao mesmo tempo que “conduz à essencialidade do amor”, também faz compreender que, atualmente, “não é possível viver e testemunhar o que é determinante na vida sem a fadiga do combate”.

Para D. Rui Valério é “imprescindível” empreenderem uma “batalha espiritual contra o pecado e contra todas as formas de mal”, nomeadamente, contra o egoísmo, a indiferença, o desamor e “tudo aquilo que afasta do Evangelho”.

D. Rui Valério em São Tomé e Príncipe
Foto Ordinariato Castrense Diocese das Forças Armadas e de Segurança (facebook)

A Quaresma, que começa hoje com a celebração da imposição das Cinzas, é um tempo de 40 dias marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, um itinerário de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário cristão, em 2019 no dia 21 de abril.

“Ao propor uma caminhada penitencial, procura mergulhar-nos na sabedoria da vida interior e, consequentemente, da profundidade da consciência humana”, acrescenta.

Na mensagem ‘a nossa missão é a caridade’, publicada online, o bispo das Forças Armadas e Forças de Segurança deseja uma “santa caminhada quaresmal”, onde estão “unidos no propósito de crescer” como Igreja diocesana castrense.

CB

Partilhar:
Share