Francisco homenageia figura Jacques-Désiré Laval, que dedicou a sua vida aos antigos escravos na ilha do Índico

Port Louis, 09 set 2019 (Ecclesia) – O Papa desafiou hoje a Igreja Católica a confiar nos “pobres e descartados”, apresentando como exemplo o missionário francês Jacques-Désiré Laval, do século XIX, que dedicou a sua vida aos antigos escravos na Maurícia.

“A sua solicitude levou-o a confiar nos mais pobres e descartados, para que fossem eles mesmos os primeiros a organizar-se e a encontrar respostas para as suas tribulações”, declarou Francisco, na Missa a que presidiu no Monumento de Maria, Rainha da Paz, a 40 quilómetros da capital Port Louis, onde chegou esta manhã.

A celebração contou com a presença de 100 mil fiéis da Maurícia e outras ilhas do Oceano Índico; no altar foram colocadas as relíquias do Beato Jacques-Désiré Laval, religioso espiritano que o Papa evocou como “apóstolo da unidade mauriciana”.

“O amor de Cristo e dos pobres marcou de tal maneira a sua vida que o protegeu da ilusão de realizar uma evangelização ‘abstrata e assética’”, sublinhou Francisco, destacando que o missionário francês “aprendeu a língua dos escravos recém-libertados e anunciou-lhes de maneira simples a Boa Nova da salvação”.

“Soube reunir os fiéis, formá-los para empreender a missão e criar pequenas comunidades cristãs em bairros, cidades e aldeias vizinhas; muitas daquelas pequenas comunidades estão na origem das paróquias atuais”, acrescentou.

A população saudou o Papa com ramos de palma, como símbolo das 100 mil palmeiras que vão ser plantadas na ilha para reflorestar o país.

A viagem de oito horas à Maurícia é a terceira etapa de uma viagem a África, iniciada na quarta-feira, com passagens por Moçambique e Madagáscar, dois dos países mais pobres do mundo.

Francisco desafiou as comunidades católicas da região a manter o “impulso missionário” e o “rosto jovem da Igreja e da sociedade”.

“Nesta linha, custa constatar como, apesar do crescimento económico que registou o vosso país nas últimas décadas, sejam os jovens quem mais sofre: são eles os mais afetados pelo desemprego, o que lhes causa um futuro incerto e tira-lhes também a possibilidade de se sentirem protagonistas da sua própria história comum”, advertiu.

Num país em que os católicos representam cerca de 28% da população, o Papa convidou a centrar preocupações na falta de “homens e mulheres que queiram viver a felicidade pelos caminhos da santidade”.

Após a celebração da Missa, o Papa almoça com os bispos da Conferência Episcopal do Oceano Índico – Maurícia, Rodrigues, Reunião, Seicheles e Comores, visitando ainda, em privado, o santuário do padre Laval, espaço de peregrinação para a população da ilha.

OC

Papa Francisco Maurício Os fiéis de Maurício não ficaram para trás e mantiveram alta a qualidade e a beleza dos cantos durante esta viagem apostólica do Papa Francisco.Confira o vídeo!

Publicado por Vatican News em Segunda-feira, 9 de setembro de 2019

África: Papa faz visita-relâmpago à República da Maurícia, com homenagem ao «apóstolo» dos escravos

Partilhar:
Share