D. Nuno Brás preside a estas celebrações pela primeira vez e começou no Curral das Freiras a participar num «encontro obrigatório para qualquer madeirense»

Funchal, Madeira, 15 dez 2019 (Ecclesia) – A Diocese do Funchal começa hoje a viver as chamadas ‘Missas do Parto’, novena de preparação para o Natal.

D. Nuno Brás começou a a participar neste “encontro obrigatório para qualquer madeirense” no Curral das Freiras, sublinhando o elevado número de pessoas presentes e a forma como cantavam a Nossa Senhora.

“Os cânticos saíam do coração das pessoas, a cantar com alma e louvando Nossa Senhora”, afirmou o bispo do Funchal em declarações à Agência ECCLESIA.

Para D. Nuno Brás, “Nossa Senhora grávida da palavra é aquela que conduz o povo cristão da Madeira até ao Natal de Jesus”.

As Missas do Parto são uma tradição particular do Arquipélago da Madeira, um momento exclusivo para cantar versos populares, em honra da Virgem Maria e do Menino Jesus, alguns dos quais remontam aos primeiros povoadores do arquipélago.

Outro fenómeno que alimenta a tradição é a mesma estrutura da novena, com a invocação ao Espírito Santo, o canto da Ladainha, o retrato da Senhora e a missa, onde também são entoadas loas à Virgem, ao seu parto e à alegria do nascimento de Jesus.

Os cânticos permanecem os mesmos de pelo menos há um século, feitos em verso.

D. Nuno Brás, bispo do Funchal, preside desde hoje a estas celebrações, pela primeira vez desde a sua chegada à diocese.

Na Paróquia do Curral das Freiras, o prelado foi recebido pelo padre Pedro Nóbrega e por uma igreja repleta de paroquianos, nomeadamente do sítio da Capela e Murteira, por quem esta Eucaristia seria celebrada, e pelos demais fiéis que quiseram cumprir esta etapa da preparação do Natal madeirense.

D. Nuno Brás começou por saudar os presentes e também os emigrantes que, através dos canais de televisão presentes, seguiram celebração, porque “a fé não tem fronteiras, nem limites, nem distâncias”.

O responsável desafiou a assembleia para que, não fique pela vivência exterior do Natal, mas “abra verdadeiramente as portas a Deus”, procurando que este “Natal seja um Natal em que Deus entra verdadeiramente”.

Na homilia, citada pelo Jornal da Madeira, da Diocese do Funchal, o bispo falou da importância de viver com Deus, que ajuda a superar as dificuldades e a transformar a nossa em algo cada vez melhor.

“Com Deus nós vemos de outra forma. Vemos tudo aquilo que nos rodeia. Vemos os outros de outra forma. Com Deus os outros deixam de ser concorrentes e passam a ser irmãos. Com Deus os outros não estão a ocupar o nosso lugar, mas estão connosco a caminhar”, declarou.

O bispo do Funchal procedeu à bênção do presépio e dos vitrais da igreja.

OC/PR

(Notícia atualizada às 15h00)

Partilhar:
Share