Organização católica é uma das instituições parceiras no plano de contingência, em Lisboa

Foto: C. M. Lisboa

Lisboa, 24 jan 2023 (Ecclesia) – A Comunidade Vida e Paz (CVP), instituição do Patriarcado de Lisboa, é um dos parceiros que estão envolvidos para disponibilizar recursos para “o apoio às pessoas em situação de sem-abrigo nesta vaga de frio”.

“Estamos a sensibilizar todas as pessoas para que possam sair da rua e dirigir-se ao pavilhão que vai estar a funcionar ao longo destes dias”, disse hoje a diretora-geral da CVP, em declarações à Agência ECCLESIA.

Renata Alves explica que a Câmara Municipal de Lisboa programou a abertura do Pavilhão Manuel Castel Branco no âmbito da articulação do NPISA – Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem Abrigo -, e, como fazem parte desta estrutura, a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) do Patriarcado de Lisboa é um dos parceiros que também estão “envolvidos para disponibilizar recursos para o apoio às pessoas em situação de sem-abrigo nesta vaga de frio”.

A Câmara Municipal de Lisboa vai acionar o seu Plano de Contingência para as Pessoas em Situação Sem-Abrigo, entre as 18h00 desta terça-feira, até ao próximo dia 29, devido à vaga de frio, com descida acentuada da temperatura segundo as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, e abre o Pavilhão Municipal Manuel Castel Branco, que vai funcionar como estrutura adaptada para acolhimento.

Equipas Técnicas de Rua vão estar em sete pontos de concentração da cidade de Lisboa para encaminhar as pessoas em situação sem-abrigo para o pavilhão municipal, localizado na Rua Natália Correia, número 10.

“A nossa equipa vai estar a acompanhar estes encaminhamentos, por outro lado, no pavilhão, iremos colocar profissionais para acompanhar as pessoas que irão ficar alojadas”, acrescentou Renata Alves, exemplificando que as pessoas, “à semelhança de outros anos”, vão ter acesso a refeições, à higiene, a triagem ao nível de saúde.

O Município de Lisboa informa que os sete locais de encaminhamento são na zona das estações do metropolitano do Rossio, do Intendente, e do Saldanha, na entrada principal da Gare do Oriente e na Estação de Santa Apolónia, na entrada estação fluvial do Cais do Sodré, e Alcântara.

A diretora geral da Comunidade Vida e Paz salientou ainda que também que “vão estar abertas estações de metro” – Rossio, Santa Apolónia e Oriente – para a população em situação sem-abrigo, das 23h00 às 06h30.

A instituição do Patriarcado de Lisboa, assegura a responsável, “vai continuar a desenvolver a sua ação junto das pessoa em situação de sem-abrigo”, mas também vai estar em articulação com outros parceiros que integram o NPISA e com a Câmara Municipal de Lisboa, a garantir o encaminhamento das pessoas para o pavilhão”.

“No que diz respeito à intervenção das equipas dos voluntários de rua estamos a reforçar os recursos que disponibilizamos roupa e outros bens”, acrescentou Renata Alves.

Comunidade Vida e Paz destina-se a apoiar pessoas em situação de sem-abrigo e/ou de vulnerabilidade social, “ajudando-as a (re)construir o seu projeto de vida, através de uma ação integrada de prevenção, reabilitação e reinserção”.

CB

 

Partilhar:
Share