D. Manuel Clemente recorda momentos de oração de quarta-feira, no Vaticano e em Fátima

Lisboa, 24 mar 2020 (Ecclesia) – O cardeal-patriarca de Lisboa convidou hoje as famílias a rezar pelos que estão na “primeira linha” do combate ao Covid-19, recordando em particular dois momentos de oração de quarta-feira, no Vaticano e em Fátima.

“No dia 25, Solenidade da Anunciação do Senhor, quando às 11h00 de Portugal (meio-dia em Roma), rezarmos ecumenicamente com o Papa um convicto Pai-Nosso; e depois seguirmos a partir de Fátima às 18h30, com o seu Bispo, unido aos Bispos de Portugal, de Espanha e de outras dioceses estrangeiras, a recitação do Rosário e a consagração aos Corações de Jesus e Maria”, refere D. Manuel Clemente.

“Família a família, comunidade a comunidade, persistamos em oração. Fisicamente resguardados e no cumprimento estrito das indicações sanitárias, alarguemos em Deus a solidariedade com todos”, acrescenta o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa.

O texto saúda todos os que estão “na primeira linha dos cuidados de saúde e do serviço público, social ou particular”.

“Contam com a nossa oração, que lhes garantirá a força para o que vão fazendo, com tanta generosidade e mérito”, aponta o patriarca de Lisboa.

O cardeal português fala em tempos “especiais”, com “graves problemas de saúde, equilíbrio humano e sustento básico que se põem e continuarão a pôr”.

“É muito o que se tem feito, das instâncias oficiais e sanitárias à solidariedade interpessoal e de vizinhança”, escreve.

No âmbito eclesial, são igualmente muitas as ações em curso, de paróquias, institutos religiosos e seculares e instituições socio-caritativas, para minorar e ultrapassar as dificuldades que surgem e a falta de meios, pessoais e materiais, para prosseguirem a sua ação. A nossa Cáritas Diocesana procura igualmente uma resposta coordenada com outras instâncias, para não dispersar as possibilidades que existam ou se reforcem”.

Além da ação solidária, D. Manuel Clemente destaca a importância da oração, da ação divina que “precede e ultrapassa em tudo o que seja bom e útil para todos”.

“A oração forte e permanente como que abre a Deus a possibilidade de atuar neste mundo e reforça a ação de quem se dedica ao bem dos outros”, escreve.

OC

Partilhar:
Share