«Era um elemento que faltava para a adrenalina começar em contagem decrescente» – D. Américo Aguiar

Foto Agência ECCLESIA/HM,

Lisboa, 04 out 2021 (Ecclesia) – O presidente da Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, disse hoje que o anúncio da data deste encontro, quando a Igreja Católica celebra a memória de São Francisco de Assis, é um “convite à fraternidade universal”.

“Escolhemos esta data de São Francisco de Assis propositadamente, para significar este convite à fraternidade universal”, explicou D. Américo Aguiar à Agência ECCLESIA.

A edição internacional da JMJ de Lisboa vai decorrer entre 1 e 6 de agosto de 2023, anunciou hoje a organização do evento, o maior do género promovido pela Igreja Católica.

“É muito importante logisticamente para a organização, era um elemento que faltava para a adrenalina começar em contagem decrescente”, explicou o presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023.

O entrevistado destaca o contexto do primeiro aniversário da publicação da encíclica do Papa Francisco, ‘Fratelli Tutti’ – em português ‘Todos Irmãos’ – (04.10.2020), para “reforçar, provocar” este dia e esta mensagem de fraternidade universal que “é também a marca profunda da Jornada Mundial da Juventude”.

D. Américo Aguiar salientou que os jovens têm sido “os pivôs, os catalisadores”, aqueles que “puxam a humanidade hoje” para aquilo a “a ecologia e a economia” que são “duas urgências” que o Papa adverte, provoca, e chama a atenção.

O Papa lembrou que a economia que vai acompanhando as nossas vidas mata, que não tem como prioridade a dignidade da pessoa humana e a felicidade como um todo. E a ecologia grita por uma ecologia integral e urge que aconteça essa conversão ecologia, económica, e o tempo via escasseando”.

O responsável católico acrescenta que a JMJ Lisboa 2023 é um caminho para que isso aconteça e “os jovens têm sido verdadeiramente protagonista da conversão económico-ecológica”.

Para os peregrinos e todos que quererão participar na jornada, a data do evento é um elemento importante “por razões logísticas e programação” das suas vidas.

“Não podemos esquecer que vêm jovens dos vários continentes, os calendários escolares e profissionais são diferenciados, por isso a partilha e o anúncio era algo importante e urgente”, acrescentou D. Américo Aguiar.

Os peregrinos formais que podem participar na JMJ têm de ter entre os 14 e os 30 anos e em Portugal, no verão de 2023, “existirão mais de 1 milhão e 700 mil portugueses com idade para participar”.

“Estão todos convidados”, assinala o bispo auxiliar de Lisboa.

O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023 lembra que a organização do encontro é dos 8 aos 80, e todas as pessoas – “de Bragança a Viana, ao Algarve, às ilhas, do interior ao litoral e os portugueses na diáspora” – são “peças fundamentais, ninguém está dispensado”, e haverá sempre alguma coisa que cada um poderá fazer.

Neste contexto, D. Américo Aguiar salienta que na semana anterior à realização da JMJ, os jovens do mundo inteiro vão estar “espalhados por todo o país, na participação dos ‘Dias nas Dioceses’”, e também será uma “festa alargada a todo o território nacional”.

“Queremos e desejamos que todas as dioceses portuguesas venham a ter presença de jovens estrangeiros na semana anterior e depois vão desaguando em Lisboa para acolher o Papa Francisco, se Deus quiser, e estarmos todos verdadeiramente imanados desta fraternidade universal em carne e osso”, acrescentou.

O programa da JMJ vai incluir catequeses e iniciativas culturais na cidade de Lisboa, antes dos encontros conclusivos sob a presidência do Papa, na zona do Parque Tejo, junto ao espaço que acolheu a Expo’98.

CB/OC

Lisboa 2023: Jornada Mundial da Juventude vai decorrer de 1 a 6 de agosto (c/vídeo)

Partilhar:
Share