«Para incitar ao ódio, à violência, ao extremismo e ao fanatismo cego», explica Francisco

Lisboa, 22 ago 2020 (Ecclesia) – O Papa Francisco afirmou hoje que “Deus não quer que o Seu nome seja usado para aterrorizar as pessoas”, numa mensagem na rede social ‘Twitter’ no ‘Dia Internacional das Vítimas de Violência baseada na Crença ou Religião’.

“Deus não precisa ser defendido por ninguém e não quer que o Seu nome seja usado para aterrorizar as pessoas”, afirma Francisco na conta @pontifex_pt na rede social de microblogging.

No tweet (mensagem), na rede social ‘Twitter’, o Papa pede “a todos que parem de instrumentalizar as religiões para incitar ao ódio, à violência, ao extremismo e ao fanatismo cego”.

A publicação no segundo ‘Dia Internacional das Vítimas de Violência baseada na Crença ou Religião’ é acompanhada pelo hashtag (marcador) #fraternidadehumana.

 

O ‘Dia Internacional das Vítimas de Violência baseada na Crença ou Religião’, que se assinala hoje (22 de agosto), foi aprovado pela ONU a 28 de maio de 2019.

A Fundação pontifícia AIS – Ajuda à Igreja que Sofre considera que a violência religiosa “só piorou” no último ano e alerta para o “crescimento do terrorismo internacional” e a “tendência alarmante de ataques a edifícios e símbolos religiosos”.

CB

Partilhar:
Share