Pandemia de Covid-19 obrigou ao adiamento da «passagem de testemunho» do Panamá para Lisboa

Cidade do Vaticano, 05 abr 2020 (Ecclesia) – O Papa marcou hoje encontro com os jovens para 22 de novembro, dia em que via entregar a uma delegação nacional os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), cuja próxima edição internacional vai decorrer em Lisboa, no verão de 2022.

“O meu pensamento vai para os jovens de todo o mundo que vivem, de maneira inédita, a nível diocesano, a Jornada Mundial da Juventude neste domingo. Estava prevista para hoje a passagem da Cruz, dos jovens do Panamá aos de Lisboa: este gesto tão sugestivo foi adiado para o domingo de Cristo Rei, a 22 de novembro”, disse Francisco, no final da Missa a que presidiu na Basílica de São Pedro, no Domingo de Ramos.

“Na expectativa desse momento, exorto-vos, jovens, a cultivar e testemunhar a esperança, a generosidade, a solidariedade de que todos temos necessidade neste tempo difícil”, acrescentou, no momento dedicado à recitação da oração do ângelus.

Já antes, durante a homilia da Eucaristia, o Papa deixara uma palavra particular às novas gerações, no dia que há 35 anos lhes é dedicado, a Jornada Mundial da Juventude, que em 2020 decorre a nível diocesano – e sem concentração de pessoas, em muitos países, como Portugal.

Queridos amigos, olhai para os verdadeiros heróis que vêm à luz nestes dias: não são aqueles que têm fama, dinheiro e sucesso, mas aqueles que se oferecem para servir os outros. Senti-vos chamados a arriscar a vida. Não tenhais medo de a gastar por Deus e pelos outros”.

O adiamento, provocado pela epidemia do novo coronavírus, tinha sido adiantado a 5 de março, pelo coordenador-geral para o setor logístico-operativo da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de 2022, em Lisboa, D. Américo Aguiar.

A delegação portuguesa terá mais de mil jovens, para estar com o Papa Francisco num momento de festa.

A Cruz e o Ícone de Nossa Senhora, símbolos da JMJ, foram entregues pelo Papa João Paulo II aos jovens em abril de 1984 e marcaram o início de uma peregrinação da juventude de todo o mundo; antes da edição internacional de 2022, irão passar por todas as dioceses portuguesas e vários países lusófonos.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, emitida hoje na Antena 1 e no programa ‘70×7 (RTP2), D. Américo Aguiar disse que a preparação da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Portugal está em “hibernação” porque o “a urgência e o foco” é o combate à pandemia de Covid-19.

“A urgência e o foco é pandemia. E temos de ter consciência disso, todos. A urgência a que somos chamados como povo, como humanidade, como Igreja, como Nação, é tratarmos da questão da pandemia. Tudo o resto passou para segundo lugar. Mas não precisamos de desligar, vamos entrar em hibernação”, referiu.

Na sua mensagem para este domingo, o Papa convidou os jovens católicos para a Jornada Mundial de Lisboa, evocando a história missionária de Portugal.

“Como destino da vossa próxima peregrinação intercontinental, em 2022, escolhi a cidade de Lisboa, capital de Portugal. De lá, nos séculos XV e XVI, inúmeros jovens, incluindo muitos missionários, partiram para terras desconhecidas a fim de partilhar a sua experiência de Jesus com outros povos e nações”, refere Francisco.

A JMJ realiza-se, anualmente, a nível local (diocesano) no Domingo de Ramos (ou em data a definida por cada diocese), alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos, numa grande cidade.

As edições internacionais destas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

OC

Amanhã, 6 de abril, celebra-se o Dia Mundial do Desporto pela Paz e pelo Desenvolvimento, promovido pelas Nações Unidas.
Neste momento, muitos eventos estão suspensos, mas são visíveis os melhores frutos do desporto: resistência, espírito de equipa, fraternidade, dar o melhor de si.
(Papa Francisco)
Partilhar:
Share