Francisco rejeita ideia de «turistas da fé» e deixa desafios às novas gerações de católicos, do ambiente à justiça social

Cidade do Vaticano, 27 set 2021 (Ecclesia) – O Papa convidou os jovens de todo o mundo a uma “peregrinação espiritual” na preparação para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de 2023, em Lisboa, depois da experiência de pandemia, nos últimos meses.

“Gostaria de tomar-vos pela mão, mais uma vez, para continuarmos juntos na peregrinação espiritual que nos conduz rumo à Jornada Mundial da Juventude de Lisboa em 2023”, escreve Francisco, na sua mensagem para a JMJ 2021, que se vai celebrar a nível local, na solenidade litúrgica de Cristo Rei (21 de novembro).

A mensagem, divulgada hoje pelo Vaticano, deixa votos de que os jovens católicos vivam as várias etapas que levam à edição internacional da JMJ 2023, na capital portuguesa, como “verdadeiros peregrinos e não como ‘turistas da fé’”.

“Ajudar-nos-emos uns aos outros a levantar-nos juntos e, neste difícil momento histórico, tornar-nos-emos profetas de tempos novos, cheios de esperança”, aponta.

Francisco deixa desafios às novas gerações, para que sejam capazes de testemunhar a “comunhão da Igreja”, o amor e o respeito nas relações humanas, a esperança e a fé em Jesus Cristo.

O Papa aponta ainda como prioridades a “justiça social”, a defesa dos não têm voz na sociedade e a “a ecologia integral”.

Foto: Lusa/EPA

O texto evoca o impacto da pandemia na vida dos mais novos, com a morte de muitos familiares e o isolamento social.

“Em muitos casos, surgiram problemas familiares, bem como desemprego, depressão, solidão e vícios; para não falar do stress acumulado, das tensões e explosões de raiva, do aumento da violência”, assinala o pontífice.

Francisco sublinha que os últimos meses realçaram, por outro lado, a “predisposição à solidariedade” dos jovens, chamados a escrever “uma página nova na história da humanidade”.

A mensagem da JMJ 2021 tem como tema ‘Levanta-te! Constituo-te testemunha do que viste’, uma passagem do livro dos Atos dos Apóstolos em que Jesus se dirige ao Apóstolo Paulo (cf. At 26, 16).

“Não basta ter ouvido outros a falarem de Cristo; é necessário falar com Ele pessoalmente. No fundo, rezar é isto. É falar diretamente com Jesus, embora porventura tenhamos o coração ainda em desordem, a cabeça cheia de dúvidas ou mesmo de desprezo por Cristo e pelos cristãos”, realça o Papa.

Francisco alerta para a necessidade de rejeitar a violência e a destruição, considerando que os meios digitais se podem tornar um “novo campo de batalha”, com a divulgação de “notícias falsas”.

A mensagem destaca que “não se pode conhecer Jesus, se não se conhece a Igreja”, destacando a importância da dimensão eclesial da fé.

Este ano, pela primeira vez, a edição local da JMJ será celebrada na solenidade de Cristo Rei do Universo, que encerra o ano litúrgico no calendário católico.

“Renovo a todos vós, jovens do mundo inteiro, o convite a tomar parte nesta peregrinação espiritual que nos levará à celebração da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa no ano de 2023”, conclui o Papa.

OC

O Vaticano apresentou a 14 de maio novas orientações pastorais para celebrar a JMJ a nível diocesano, desafiando as comunidades católicas a apostar nos jovens.

“É necessário ter a coragem de envolver e confiar papéis ativos aos jovens, tanto aqueles que vêm das diferentes realidades pastorais presentes na diocese quanto aqueles que não pertencem a nenhuma comunidade, grupo de jovens, associação ou movimento”, refere o texto.

Além do Dia Mundial da Juventude, celebrado a nível diocesano, a Igreja promove edições internacionais destas jornadas, cuja próxima etapa acontece em Lisboa, no verão de 2023, com o tema “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1, 39).

A data do evento vai ser anunciada a 4 de outubro.

Partilhar:
Share