Presidente da Assembleia da República participou em Encontro Internacional de Preparação que decorre em Fátima

Foto Agência ECCLESIA/OC

Fátima, 17 out 2022 (Ecclesia) – O presidente da Assembleia da República afirmou hoje a certeza de que o país “está preparado” para acolher a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, e valorizou as iniciativas relacionadas com “a participação e educação cívica dos jovens”.

“Quer pela dimensão – espera-se mais de um milhão de jovens – quer pela atualidade dos temas, quer por esta oportunidade de ouvirmos jovens falar sobre diferentes dimensões de natureza espiritual, das quais não trato, mas também de natureza pública e social, que dizem respeito ao Parlamento português. Já manifestamos todo o nosso apoio à Jornada, e em particular as iniciativas no âmbito das JMJ que estejam diretamente relacionadas com a participação e educação cívica dos jovens”, afirmou Augusto Santos Silva presente no encontro de responsáveis internacionais que inicia hoje, em Fátima, com vista à preparação da JMJ Lisboa 2023.

O responsável afirmou que o país está preparado e não teve dúvidas sobre o sucesso que o encontro vai ter.

“O país está preparado e a Jornada Mundial da Juventude em Lisboa e Loures vai ser um sucesso, não tenho a mínima dúvida”, sublinhou.

Augusto Santos Silva afirmou a disponibilidade do Estado português em acolher iniciativas, “de todas as religiões”, que sejam “compatíveis com os valores típicos de um estado de direito democrático”.

“Nós valorizamos sempre todas as manifestações religiosas e valorizamos a influência cívica e social das religiões. Estamos de braços abertos para acolher esta realização da Igreja católica como temos estado de braços abertos para acolher outras manifestações de outras confissões religiosas que sejam compatíveis com os valores típicos de um estado de direito democrático.

O responsável pela Assembleia da República saudou ainda a “bela característica” da democracia portuguesa que consagra a “liberdade religiosa” e reconheceu o “pluralismo religioso e a igualdade entre as diferentes confissões religiosas” em Portugal.

“Uma das mais belas características da democracia portuguesa é o facto de ela ser uma democracia em que um dos eixos principais é a absoluta liberdade religiosa: ter ou não ter crença, a liberdade de se escolher as crenças, de praticar privada e publicamente as crenças, a liberdade de mudar de crença. Tudo isso é garantido em Portugal”, indicou.

A JMJ Lisboa 2023 vai decorrer entre os dias 1 e 6 de agosto, na capital portuguesa, o que motivou o encontro, em Fátima, das equipas de todas as Direções do Comité Organizador Local (COL) da JMJ Lisboa 2023, representantes das Conferências Episcopais e Pastoral Juvenil dos cinco continentes, além de movimentos eclesiais e institutos religiosos.

OC/LS

Partilhar:
Share