Departamento Nacional da Pastoral Juvenil realizou hoje a reunião do Conselho Nacional em torno do «caminho de receção do Sínodo rumo à JMJ»

Missão Jovem 2020, Foto Jovens em Missão

Lisboa, 13 fev 2021 (Ecclesia) – O presidente da Comissão Episcopal Laicado e Família afirmou hoje, no início dos trabalhos do Conselho Nacional de Pastoral Juvenil, a necessidade de fomentar a “sinodalidade juvenil” e disse que é na missão que os jovens descobrem a Igreja”.

“É na missão que os jovens descobrem ‘para que sou eu’; é na missão que os jovens descobrem a Igreja; é na missão que se encontram com Jesus Cristo, no serviço aos mais pobres”, afirmou D. Joaquim Mendes.

O Departamento Nacional da Pastoral Juvenil promoveu hoje o encontro do Conselho Nacional do organismo, através dos meios digitais, reunindo mais de 70 conselheiros de dioceses, congregações religiosas e movimentos e associações juvenis.

Na abertura dos trabalhos o bispo responsável pelo setor da Pastoral Juvenil na Conferência Episcopal Portuguesa, D. Joaquim Mendes, apontou para a necessidade de “formar na missão” e não só “formar para a missão”, “a partir da qual se articula a vida com as suas escolhas e as suas prioridades”.

O presidente da Comissão Episcopal Laicado e Família (CELF) indicou que o “caminho de receção do Sínodo rumo à JMJ” implica também tem de ter presente a necessidade de dar “o protagonismo aos jovens na dinamização das catequeses, iniciativas paroquiais, vicariais diocesanas, desafiá-los e envolvê-los e responsabilizá-los nas várias iniciativas”.

D. Joaquim Mendes referiu-se também à “sinodalidade juvenil, a nível paroquial, vicarial e diocesano”, para “congregar todos os jovens” em torno da preparação da Jornada Mundial da Juventude, “dando cada o seu contributo”.

“A comunhão, na diversidade e complementaridade, de espiritualidade, carisma, missão, diferenças de contextos geográficos e existenciais, são indispensáveis para o percurso rumo à JMJ, marcado pela evangelização”, afirmou o presidente da CELF

D. Joaquim Mendes considerou que a diversidade “na comunhão e na unidade não é de modo nenhum um obstáculo, mas uma riqueza, um enriquecimento mútuo, um sinal visível da Igreja”.

O presidente da CELF apontou como principal objetivo do encontro do Conselho Nacional de Pastoral Juvenil a “comunhão” entre os participantes “para a missão de evangelização rumo à JMJ, na receção do Sínodo dos jovens de 2018”.

O Conselho Nacional de Pastoral Juvenil analisou o tema da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023, “Maria levantou-se e partiu apressadamente”, através da comunicação do cardeal D. José Tolentino Mendonça por ocasião da receção dos símbolos da JMJ, em Roma, e a proposta do percurso catequético “Rise up”, de preparação para a jornada.

PR

Partilhar:
Share