Trabalho foi coordenado por Sérgio Peixoto, diretor artístico do coro «Mãos que cantam», e interpretado por Bruna Saraiva, escuteira

Lisboa, 03 mar 2021 (Ecclesia) – A organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 lançou hoje a versão do hino oficial desta iniciativa da Igreja Católica em Língua Gestual Portuguesa (LGP).

“O vídeo técnico, da autoria do projeto ‘Mãos que Cantam’, destina-se a surdos e ouvintes que queiram aprender os gestos nesta língua”, refere um comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

A versão em LGP do hino ‘Há pressa ar’ foi coordenada por Sérgio Peixoto, diretor artístico do coro ‘Mãos que cantam’, e interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira, Diocese do Algarve).

Esta é a mais recente proposta de comunicação inclusiva da organização da JMJ 2023, a primeira em território português.

O projeto ‘Mãos que Cantam’, iniciado em 2010, criou um coro de surdos com os alunos da Licenciatura e Mestrado em Língua Gestual Portuguesa do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica, que começou por atuar em conjunto com o Coro da Universidade.

“Este projeto pretende demonstrar, no âmbito da responsabilidade social, que as pessoas menos capacitadas auditivamente podem fazer parte de um coro”, assinala a nota da organização da JMJ 2023.

O hino oficial da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 foi apresentado a 27 de janeiro de 2021 e é inspirado no tema da próxima edição internacional desta iniciativa, ‘Maria levantou-se e partiu apressadamente’ (Lc1,39), escolhido pelo Papa Francisco.

A letra é do padre João Paulo Vaz e a música de Pedro Ferreira, professor e músico, ambos da Diocese de Coimbra; os arranjos são do músico Carlos Garcia.

As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

As edições internacionais destas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

A primeira edição aconteceu em 1986, em Roma, e desde então a JMJ já passou pelas seguintes cidades: Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (1989), Czestochowa (1991), Denver (1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (2002), Colónia (2005), Sidney (2008), Madrid (2011), Rio de Janeiro (2013), Cracóvia (2016) e Panamá (2019).

OC

JMJ 2023: Braile, pictogramas e Língua Gestual Portuguesa apresentam símbolos da Jornada Mundial da Juventude (c/vídeo)

Partilhar:
Share