Equipa dinamizadora pretende «viver a vocação de guardiões da obra de Deus», numa lógica sinodal

Palmela, 30 ago 2021 (Ecclesia) – O novo projeto ‘ECOés’ nasce do “desejo” de fazer parte do processo de “conversão ecológica integral”, a partir da encíclica ‘Laudato Si’, e surge num âmbito mais alargado da Pastoral da Juventude e Vocações das Irmãs da Apresentação de Maria.

“Como nos diz o Papa Francisco na encíclica ‘Laudato si’, as questões ligadas à ecologia estão estreitamente ligadas a uma mudança do coração. Quando o nosso coração não está voltado para Deus, acabamos por nos relacionarmos com as pessoas, com o ambiente e connosco próprios de uma forma desordenada”, lê-se numa nota enviada hoje à Agência ECCLESIA.

O projeto ‘ECOés’ está a ser implementado na Quinta da Boa Vista, em Palmela, na Diocese de Setúbal, e nasce do “desejo” de fazer desse lugar um espaço onde “o contacto com a natureza possa gerar um encontro com Deus, com os outros” e pessoal.

“Interlaçando ecologia, educação e espiritualidade queremos fazer parte desse processo de conversão integral, começando no coração e continuando em gestos pequenos e concretos”, acrescentam.

O novo projeto, que surge num âmbito mais alargado da Pastoral da Juventude e Vocações das Irmãs da Apresentação de Maria, vai concretizar-se através de propostas de voluntariado, “sempre numa dinâmica de interligar espiritualidade, educação e práxis”, ‘ecoworkshops’, com o intuito de sensibilizar para a mudança de hábitos prejudiciais ao ambiente, tempos de retiro, reflexão, roteiros espirituais, entre outros.

Com estas atividades pretendem atingir três objetivos específicos: “Promover a Educação Ecológica; Potenciar a Espiritualidade Ecológica; Sensibilizar para a adoção de estilos de vida simples”.

O ‘ECOés’ vai ser dinamizado por uma equipa composta pelas Irmãs da Apresentação de Maria e por jovens da Diocese de Setúbal, que pretendem “viver a vocação de guardiões da obra de Deus”, procurando trabalhar em colaboração numa lógica sinodal.

O novo projeto está a ser divulgado no contexto do ‘Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação’, que a Igreja Católica vai celebrar esta quarta-feira, 1 de setembro, e que começa um ‘Tempo da Criação’, até ao dia 4 de outubro, festa litúrgica de São Francisco de Assis.

O Papa Francisco publicou a ‘Laudato si’, em 2015, na semana passada afirmou que “é uma encíclica social” e não apenas um documento “verde”; No dia 25 de maio deste ano, lançou uma plataforma de ação que propõe uma “jornada” de sete anos para que todas as comunidades católicas “se tornem totalmente sustentáveis, no espírito da ecologia integral

CB

Partilhar:
Share