Missa exequial decorre hoje às 15h, na Sé de Évora

Foto: Miguel A Lopes/LUSA

Lisboa, 22 mar 2019 (Ecclesia) – A Assembleia da República aprovou esta quinta-feira um voto de pesar pelo falecimento do arcebispo emérito de Évora, D. Maurílio Gouveia, lembrando o “empenho pastoral” e o trabalho de “proximidade” junto das comunidades locais.

“Sorridente, delicado, educado, humano e com sentido de humor, aproximou-se das pessoas como Pastor e não com um discurso ideológico, numa postura até então pouco comum na Igreja portuguesa”, assinala o texto, da responsabilidade dos deputados do grupo parlamentar do PSD, publicado na página da Internet do Parlamento.

O trabalho pastoral, executado ao longo de 26 anos, tiveram como “momento alto do seu ministério”, a visita do Papa João Paulo II ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Vila Viçosa em 1982.

“A Assembleia da República reunida em plenário, exprime o seu pesar pelo falecimento de D. Maurílio de Gouveia, Arcebispo emérito de Évora, e endereça as suas condolências aos seus familiares e à Igreja Católica”.

O voto de pesar foi aprovado pelos deputados presentes no plenário da Assembleia da República e contou com a abstenção do Bloco de Esquerda.

D. Maurílio de Gouveia, arcebispo emérito de Évora, faleceu na tarde do dia 19, no Eremitério de Maria Serena, em Gaula (Concelho de Santa Cruz), na Diocese do Funchal, com 86 anos de idade, na sequência de uma doença prolongada.

O funeral realiza-se hoje em Évora, com a oração das Laudes pelas 10h00, na Catedral local, seguida de Missa exequial às 15h00 presidida pelo arcebispo de Évora, D. Francisco Senra Coelho.

O cortejo fúnebre segue depois para a Igreja do Espírito Santo em Évora, onde decorrerá a encomendação e a sepultura dos restos mortais de D. Maurílio de Gouveia, no Panteão dos Arcebispos.

JCP/LS

Partilhar:
Share