Presidente do Governo Regional, José Manuel Bolieiro, afirmou que os açorianos já tinham “ansiedade e curiosidade” 

Foto Fernando Pavão – D. Armando Esteves Domingues, bispo de Angra, e José Manuel Bolieiro, presidente do Governo Regional dos Açores

Angra do Heroísmo, 15 jan 2023 (Ecclesia) –  O presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, presente na entrada de D. Armando Domingues na diocese de Angra, disse à Agência ECCLESIA que os açorianos já tinham ansiedade e curiosidade em conhecer o novo bispo e que o querem “acolher de braços abertos”.

“Recebemos D. Armando de braços abertos, os açorianos já tinham ansiedade e curiosidade de quem seria o novo bispo”, afirmou José Manuel Bolieiro à Agência ECCLESIA.

O presidente do Governo Regional dos Açores marca presença neste domingo, na Sé de Angra, para o início do ministério pastoral de D. Armando naquela diocese, e reforça que o novo bispo pode contar com os açorianos.

“Quero deixar em nome dos Açores um bem haja a D. Armando e dizer que os açorianos contam com a sua proximidade e que irá conhecer a nossa identidade, de fé católica e de devoção ao Espírito Santo e ao Santo Cristo dos Milagres”, destaca. 

A Diocese de Angra vai receber este domingo o seu 40.º bispo, D. Armando Esteves Domingues, de 65 anos, nomeado pelo Papa Francisco a 4 de novembro do último ano.

A entrada solene na diocese está marcada para as 17h00 (18h00 em Lisboa), na Catedral de Angra, depois da tomada de posse perante o Colégio de Consultores, organismo representativo do clero.

D. Armando Esteves Domingues nasceu a 10 de março de 1957 em Oleiros, Diocese de Portalegre-Castelo Branco; foi ordenado padre 13 de janeiro de 1982, na Diocese de Viseu.

A 27 de outubro de 2018, o Papa nomeou-o como auxiliar da Diocese do Porto, tendo sido ordenado bispo a 16 de dezembro de 2018, na Catedral de Viseu.

Na Conferência Episcopal Portuguesa, D. Armando Esteves Domingues preside à Comissão Missão e Nova Evangelização.

HM/SN

Angra: Novo bispo quer Igreja de portas abertas e «menos clerical» (c/fotos e vídeo)

Partilhar:
Share