Mensagem para o 57.º Dia Mundial das Comunicações Sociais sublinha responsabilidade dos jornalistas para desmontar desinformação

Foto: Lusa/EPA

Cidade do Vaticano, 24 jan 2023 (Ecclesia) – O Papa convidou hoje os profissionais dos media a promover uma comunicação “não hostil”, que ajude a contrariar a “retórica belicista” a nível global.

“Há que rejeitar toda a retórica belicista, assim como toda a forma de propaganda que manipula a verdade, deturpando-a com finalidades ideológicas. Em vez disso seja promovida, a todos os níveis, uma comunicação que ajude a criar as condições para se resolverem as controvérsias entre os povos”, escreve Francisco, na sua mensagem para Dia Mundial das Comunicações Sociais 2023, divulgada pelo Vaticano.

O texto alerta para a “psicose bélica” da sociedade contemporânea, pedindo comunicadores “prontos a dialogar, ocupados na promoção dum desarmamento integral”.

“No dramático contexto de conflito global que estamos a viver, urge assegurar uma comunicação não hostil”, acrescenta o Papa.

A mensagem tem como tema “Falar com o coração: testemunhando a verdade no amor”, inspirado numa passagem da carta de São Paulo aos Efésios (Ef 4,15).

Francisco propõe uma linguagem e cultura de paz, para que a comunicação “não fomente uma aversão que exaspere, gere ódio e conduza ao confronto, mas ajude as pessoas a refletir calmamente, a decifrar com espírito crítico e sempre respeitoso a realidade onde vivem”.

A humanidade vive uma hora escura temendo uma escalada bélica, que deve ser travada o mais depressa possível, inclusivamente em termos de comunicação. Fica-se apavorado ao ouvir com quanta facilidade se pronunciam palavras que invocam a destruição de povos e territórios; palavras que, infelizmente, se convertem muitas vezes em ações bélicas”.

O Papa sublinha que os agente de comunicação têm um particular “sentido de responsabilidade”, recomendando que rejeitem “a tentação de usar expressões sensacionalistas e agressivas”.

A mensagem reforça o apelo para se “falar com o coração”, num tempo “propenso à indiferença e à indignação, baseada por vezes até na desinformação que falsifica e instrumentaliza a verdade”.

Francisco sublinha a importância de comunicar “cordialmente”, perante polarizações e oposições, sustentando que “o falar amável abre uma brecha até nos corações mais endurecidos”.

“Experimentamo-lo na convivência social, onde a gentileza não é questão apenas de ‘etiqueta’, mas um verdadeiro antídoto contra a crueldade, que pode, infelizmente, envenenar os corações e intoxicar as relações”, prossegue.

O Dia Mundial das Comunicações Sociais é a única celebração do género estabelecida pelo Concílio Vaticano II, no decreto ‘Inter Mirifica’, em 1963; assinala-se, em cada ano, no domingo antes do Pentecostes – 21 de maio, em 2023.

A mensagem para a celebração é tradicionalmente publicada a 24 de janeiro, dia da memória litúrgica de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas.

OC

Igreja/Comunicação: Papa pede defende «escuta sem preconceitos, atenta e disponível», no caminho sinodal

Partilhar:
Share