Coleção apresenta percurso eclesial, atividade cívica e política, publicações e reflexões pessoais

Barcelos, 08 nov 2021 (Ecclesia) – O Centro Social Cultural e Recreativo Abel Varzim, em Cristelo (Barcelos), acolheu este sábado a apresentação do espólio digitalizado do padre Abel Varzim (1902-1964), que aborda o seu percurso eclesial, atividade cívica e política, publicações e reflexões pessoais.

O sacerdote foi evocado como uma “figura incontornável do século XX” por Nuno Estevão, do Centro de Estudos de História Religiosa (CEHR) da Universidade Católica Portuguesa (UCP), responsável pelo processo de digitalização da coleção documental.

Numa intervenção enviada hoje à Agência ECCLESIA, o especialista destaca a importância da recolha e difusão de documentos que “permitem a disponibilização aos investigadores e ao público em geral de um repositório do pensamento, das estratégias, das áreas de atuação, dos objetivos, da conduta de Abel Varzim”.

Os documentos digitalizados podem ser encontrados na coleção Documental Abel Varzim, disponibilizada na PAPIR (Plataforma de Arquivos Pessoais e de Instituições Religiosas), através de uma colaboração do CEHR (Centro de Estudos de História Religiosa), da Universidade Católica, com o Fórum Abel Varzim.

O espólio inclui, por exemplo, um auto de declarações do padre Abel Varzim perante a PIDE, na sequência da carta de 45 personalidades católicas, entre as quais o sacerdote, para o presidente do Conselho, António de Oliveira Salazar, em 1959, “expondo atividades repressivas no contexto do Estado Novo e solicitando esclarecimentos acerca da postura do regime nessa matéria”.

Outros textos disponíveis são o diário do sacerdote (1943-48); troca de correspondência com D. António Ferreira Gomes (então bispo de Portalegre); uma oração do padre Abel Varzim; ou uma cópia de textos em ‘O Trabalhador’ (1935-48).

Nuno Estevão sublinha que “a coleção é extensível, com mais documentos originais na posse de familiares ou conhecidos”.

A cerimónia do último sábado começou com uma romagem à campa do padre Abel Varzim (1902-1964), incluindo uma homenagem a João Gomes, recentemente falecido, que foi o fundador do Fórum Abel Varzim.

Em 1933, com o padre Manuel Rocha, estudante em Lovaina, o padre Abel Varzim contribuiu para a conceção e o lançamento da ‘Acção Católica Portuguesa’ (ACP); foi também o primeiro assistente geral da Liga Operária Católica (LOC).

A nota biográfica que acompanha o espólio digitalizado destaca a atividade política do sacerdote, “com críticas inequívocas ao regime e à relação mantida entre a Igreja e o Estado Novo de Salazar”, bem como a sua ação como pároco da Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, ao Chiado, em Lisboa.

“Nessa zona da capital, a prostituição assumia relevo no quadro das suas preocupações sociais e sucederam-se as iniciativas direcionadas para a reintegração social das mulheres que a ela se dedicavam”, pode ler-se.

LFS/OC

Partilhar:
Share