Bispo do Funchal presidiu a celebração da Missa Crismal na Sé

Foto: Diocese do Funchal

Funchal, 01 abr 2021 (Ecclesia) – O bispo do Funchal pediu aos padres da sua diocese “empenho renovado de serviço à humanidade contemporânea” marcada pela pandemia, “um momento singular”, e indicou que o mundo precisa de “quem abra janelas de Deus”.

“Neste tempo de pandemia, o mundo contemporâneo precisa de quem lhe abra janelas de horizonte e de sentido, janelas de Deus. Precisa, mais que nunca, de quem lhe prepare o banquete pascal e que não é um vírus, qualquer que ele seja, que nos impedirá de ser com Deus e para Ele; de viver com Deus e para Ele”, afirmou D. Nuno Brás durante a homilia da Missa Crismal na Sé do Funchal.

A celebração da Missa Crismal junta os sacerdotes de uma diocese em torno do seu bispo, onde os padres são convidados a renovar as promessas sacerdotais e são benzidos os óleos que vão ser distribuídos pelas comunidades para as celebrações dos vários sacramentos.

O bispo do Funchal afirmou que os padres são “presença da paternidade divina”, ao mesmo tempo “presença pessoal da graça, no meio da Igreja e do mundo”, uma vez que procuram configurar-se com Cristo.

“O ministério da salvação jamais se poderá resumir a uma tarefa, a uma função desempenhada, mesmo que com o maior profissionalismo. O serviço da salvação não poderá nunca deixar de ser o todo de uma vida, que tudo absorve, que a tudo oferece centro e sentido”, explicou.

D. Nuno Brás indicou que cada sacerdote tem a missão “confiada por Deus” de “O tornar presente, visível, atuante, vivificador da vida” das pessoas.

“Quem nos encontrar, em qualquer momento do nosso dia, há-de sentir-se mais próximo de Deus; há-de perceber que Deus não desiste de se tornar próximo, de o procurar, de lhe oferecer a vida. Por isso, preparamos para os filhos o banquete pascal”, afirmou.

LS

Homilia da Missa Crismal, de D. Nuno Brás, na Sé do Funchal

Partilhar:
Share