Francisco convida católicos a visitar cemitérios e a rezar pelos que já partiram

Papa visita cemitério de Roma, em 2018. Foto: Lusa/EPA.

Cidade do Vaticano, 01 nov 2019 (Ecclesia) – O Papa questionou hoje no Vaticano o que qualificou como “cultura negativa” sobre a morte, contrapondo-a à comemoração dos fiéis defuntos, na Igreja Católica.

“Nestes dias em que, infelizmente, circulam também mensagens de cultura negativa sobre a morte e os mortos, convido a não negligenciar, se possível, uma visita e uma oração no cemitério. Será um ato de fé”, declarou, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, para a recitação do ângelus na solenidade de Todos os Santos.

Francisco vai assinalar este sábado a comemoração anual dos fiéis defuntos (2 de novembro) com uma Missa nas Catacumbas de Priscila, um dos locais de sepultamento dos primeiros cristãos de Roma.

O tema da morte esteve no centro de uma mensagem que o Papa enviou a um encontro de jovens de várias religiões e nacionalidades, incluindo quatro portugueses, que decorreu até esta quinta-feira, no México.

“A pergunta sobre a morte é a pergunta sobre a vida, e manter aberta a pergunta sobre a morte, talvez, seja a maior responsabilidade humana para manter aberta a pergunta sobre a vida”, declarou Francisco, numa intervenção em vídeo, divulgada pela Santa Sé.

O evento foi organizado em conjunto pela Scholas Occurrentes e World ORT, organização não-governamental judaica que se ocupa de educação e formação profissional.

O Papa destacou a importância de compreender o “fim” de cada história, de cada momento na vida diária, dando espaço à “fragilidade” e ao “mistério”.

“A morte lembra-nos a impossibilidade de ser, compreender e englobar tudo. É uma bofetada na nossa ilusão de omnipotência”, disse.

A intervenção questiona uma “cultura mundana” que escraviza as pessoas e as tenta “anestesiar”.

“O esquecimento da morte é também o seu início; uma cultura que se esquece da morte começa a morrer por dentro. Aquele que esquece a morte já começou a morrer”, advertiu.

A comemoração de todos os Fiéis Defuntos remonta ao final do primeiro milénio: foi o Abade de Cluny, Santo Odilão, quem no ano 998 determinou que em todos os mosteiros da sua Ordem se fizesse nesta data a evocação de todos os defuntos ‘desde o princípio até ao fim do mundo’.

OC

Partilhar:
Share