Em noites de verão, inspira-nos o mar: o mar dos Açores que é horizonte, mais do que fronteira para o padre António Rego. Sacerdote há quase 60 anos, nunca deixou aquele mar, ou ele sempre se agitou dentro do comunicador, que navegava ora na imprensa escrita, na rádio ou na televisão. Esse mar continua a bater, mesmo que o vigor de uma vida com 80 anos procure a tranquilidade. O jornalista Paulo Rocha foi escutar o mar do padre António Rego e perceber que o amor pela comunicação e pelos Açores, são os de sempre.

Partilhar:
Share