«Fiquei surpreendida como é que há pessoas tão desprendidas para se dedicar a estas crianças», disse Vitória Garrido na Casa dos Silenciosos Operários da Cruz

Foto: Santuário de Fátima (arquivo)

Fátima, 24 jul 2019 (Ecclesia) – O Santuário de Fátima iniciou esta semana a 13ª edição do projecto férias para pais que têm filhos com deficiência, que este ano tem por tema “Vem para o meio” e vai decorrer, em cinco turnos, até 30 de agosto.

Vitória Garrido, mãe de um filho que participa na iniciativa, valorizou o acolhimento, “desde o carinho” ao “apoio das pessoas”, num “sítio que tem condições para se estar com uma criança” com necessidades especiais, como acontece no Centro de Espiritualidade Francisco e Jacinta Marto, da Congregação dos Silenciosos Operários da Cruz, que concretiza esta iniciativa.

“As pessoas que lidam com eles nasceram para isto. É carinho como se eles fossem deles, brincam como se eles fossem deles. Quando vim fiquei surpreendida como é que há pessoas voluntárias tão desprendidas de tudo para se dedicar a estas crianças, que para nós são sempre crianças”, disse a mãe de Silvia Maria Garrida que, aos 40 anos de idade, não ouve, não vê, não fala, entre outros problemas de saúde.

A primeira semana da 13.ª edição de férias para pais que têm filhos com deficiência conta com 20 jovens adultos com necessidades especiais e 11 pais.

“É no sítio onde tem condições para a gente estar com uma criança deficiente, desde o carinho, do apoio das pessoas, tudo”, salienta em declarações à Agência ECCLESIA, adiantando que, agora, a filha “já chega e está em casa”, “pelo toque conhece tudo, conhece as pessoas e sabe onde está”.

Vitória Garrido participa pela quarta vez nestas férias e afirma que “era muito difícil” separar-se da filha e, por isso, aproveita a oportunidade dada pelo Santuário de Fátima para continuar por perto de Silvia Maria e nas “folgas” conviver com os outros pais.

“Vamos vendo que não estamos só nestas batalhas, há muito mais pessoas e, às vezes, até com mais dificuldades”, desenvolveu.

“Isto aqui realmente é muito bom”, acrescenta Custódia Coelho de Carvalho que também participa pela quarta vez com o filho Francisco, de 46 anos, que tem Síndrome de Down (Trissomia 21).

“O convívio deles, uns com os outros, e o próprio convívio com os voluntários, sendo todos jovens, é muito bom para eles conviverem com pessoas diferentes porque eles são diferentes”, explicou, referindo que o “filho faz uma vida muito, muito normal e sempre conviveu com outros meninos que não tinham o problema dele”.

Custódia Coelho de Carvalho revelou que entre a inscrição e a confirmação das férias o Francisco andou ansioso pela resposta e disse que também usufrui das férias ao lado do filho porque fica “mais tranquila”.

“Faz-me ficar bem-disposta e pensar assim: ‘O meu filho, onde quer que passe, dão-lhe carinho, falam muito com ele, puxam por ele, vai aprendendo’. Está sempre a aprender coisas novas porque ele anda na escola”, desenvolveu a entrevistada da Arquidiocese de Évora.

O Santuário de Fátima conta com o apoio e a disponibilidade de vários jovens e adultos que dedicam uma semana das suas férias para fazer voluntariado, movidos pelo serviço, conhecimento profissional e pela ajuda ao outro.

Foto Santuário de Fátima – Reunião de voluntários 2019

“Acho importante esta experiência de ajudar pessoas e famílias com realidades diferentes, para termos uma mente mais aberta. Espero crescer  enquanto pessoa, desenvolver capacidades e aprender com eles”, disse Beatriz Francisco que está no 3º ano de Medicina e, aos 21 anos, participa pela primeira vez.

Para Humberto Ferreiro, da Diocese de Bragança-Miranda, foi a formação em Educação Social que o levou a a participar, em 2018, numas férias que “proporcionam crescer como pessoas”.

“O tempo que passamos com as pessoas que vêm aqui, sejam jovens, sejam mais adultas, com várias patologias, ajudam a descobrir o outro muito mais facilmente e de uma forma mais aberta do que uma relação que não tenha uma patologia. É enriquecedor”, disse o voluntário, que é seminarista na congregação dos Padres Marianos da Imaculada Conceição.

O Santuário de Fátima considera estas férias especiais uma aposta ganha porque é “um tempo de crescimento”, quer para as pessoas com deficiências, quer para os seus acompanhantes, como para os voluntários, e este ano, pela primeira vez, tiveram de recusar inscrições.

“Não há nenhuma experiência tão reveladora da verdade do homem e, por isso, do lugar de Deus e de Deus na vida do homem com a experiência de relação e de cuidado de cuidar de pessoas dependentes e com algum tipo de deficiência”, assinalou o padre Nuno Ferreira da Silva.

Foto Santuário de Fátima

O capelão do Santuário de Fátima lamentou ainda que esta iniciativa seja uma “aposta perdida” porque todos os anos, umas semanas antes, têm “a reunião mais tremenda e mais difícil” do ano pastoral que é “dizer a muitas famílias que não podem vir” porque não têm capacidade.

A iniciativa é operacionalizada pela Congregação Silenciosos Operários da Cruz que recebem os pais, os filhos e os voluntários ao longo de diversas semanas.

“É um encontro dos jovens com deficiência com os voluntários, mas também vice-versa, e sobretudo com os pais. E nesta partilha dos pais, muitos também se abrem, alguns têm a possibilidade de ver que não são os únicos”, disse o padre Johnny Freire.

Do programa constam variadas atividades, dentro e fora de casa, de oração e convívio, como uma visita guiada aos Valinhos, à Capelinha das Aparições e ao santuário, um dia na praia das Rocas, em Castanheira de Pera.

“Nas férias não esquecemos Deus e, estando em Fátima, não esquecemos Maria e também esta dimensão lúdica, de sã brincadeira, sã alegria que se partilha num dia da piscina. É útil para estreitar laços, sobretudo para os jovens com deficiência, com problemas motores e permite uma certa liberdade”, exemplificou o sacerdote da Congregação Silenciosos Operários da Cruz.

 

A primeira semana das férias para pais que têm filhos com deficiência termina esta sexta-feira e o Santuário de Fátima ainda vai realizar mais quatro turnos: 30 julho a 5 de agosto; de 7 a 13 de agosto; de 16 a 22 de agosto; e o último de 24 a 30 agosto.

O santuário informa que esta iniciativa vai envolver mais de 80 jovens adultos, 40 pais e 80 voluntários que, mobilizados pelo convite de Jesus «Vem para o meio» (Evangelho de São Mateus), vivem uma semana no Centro de Espiritualidade Francisco e Jacinta Marto (na Estrada de Minde, a 2,5 km da rotunda sul).

CB/PR

Partilhar:
Share