Jornadas Missionárias congregaram cerca de 250 pessoas no santuário mariano

Fátima, 18 set 2017 (Ecclesia) – O diretor das Obras Missionárias Pontifícias (OMP) disse à Agência ECCLESIA que a missão acontece “do coração ao coração” e requer “diálogo, proximidade e relação”.

O tema esteve em debate nas Jornadas Missionárias 2017, que se realizaram em Fátima entre os dias 16 e 17 de setembro, sobre o tema ‘Missão do coração ao coração’.

“Não se trata de coração a nível de sentimentalismo, não é isso, é deste coração aberto onde cabem todos. A missão tem de ser assim”, afirmou o diretor das OMP.

Em declarações à Agência ECCLESIA, o padre António Lopes explica que “só se abre o coração do outro” quando o coração do missionário “também está aberto”.

“A missão é feita sempre de diálogo, desta proximidade e desta relação. Só assim, quando me aproximo, quando me relaciono com o outro ele pode estar aberto à mensagem que quero transmitir porque sente em mim que há esta canal transmissor”, desenvolve o sacerdote.

Segundo o padre António Lopes, a missão do coração ao coração também tem “dificuldades” porque “nem sempre o coração está em condições” e nem sempre a vida está em condições de “levar essa mensagem e nem sempre o coração do outro está aberto a receber”.

A organização das Jornadas Missionárias 2017 é da responsabilidade da Comissão Episcopal Missão e Nova Evangelização, das Obras Missionárias Pontifícias e da CIRP – Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal.

O encontro juntou no Centro Pastoral Paulo VI, em Fátima, novos e experientes protagonistas da missão.

Para o superior geral dos Missionários da Boa Nova, hoje “as pessoas estão saturadas de palavras vagas, abstratas” e, por exemplo no Japão, onde esteve durante 20 anos, “dão muita importância à experiência da própria pessoa e ao testemunho”.

“No encontro com o outro é fundamental que tenhamos a capacidade de sair de nós próprios. Porque senão sairmos de nós próprios não tenhamos ilusões não se realiza o verdadeiro encontro”, observa o padre Adelino Ascenso.

Já Ludimila Silva, dos Jovens Sem Fronteiras, que esteve em Cabo Verde durante o mês agosto, destaca que a missão do coração ao coração é “deixar que a vontade seja a do Senhor.

“Quando fazemos o que Deus quer somos felizes e conseguimos fazer o outro feliz. Conseguimos unir dois corações e fazer um só e dois corações felizes”, partilhou a jovem do movimento ligado aos Missionários Espiritanos.

Da missão em Cabo Verde a “maior riqueza” que trouxe foi a “fé” de um povo católico e de jovens que “dão-se para a paróquia totalmente” com não se vê em Portugal.

“Quando estão na paróquia estão agarrados às pessoas e se calhar não tanto à fé ou aquilo que deveriam estar e lá não, vemos os jovens completamente a darem-se à paróquia e às pessoas da paróquia”, desenvolve Ludimila Silva.

Segundo o presidente da Comissão Episcopal Missão e Nova Evangelização, a Igreja tenta “congregar” as pessoas na diversidade das suas circunstâncias de vida e “animá-las a todas com este sentido da missão”, que não implica partir para outras geografias.

“Hoje temos mais gente, por ventura, que parte em missão mas por menos tempo. Pode não haver aquele entrosamento na realidade da vida, na realidade que a antiga permanência de muitos anos gerava. […] Não sei qual poderá deixar mais marcas mas ainda acredito muito na antiga”, comenta D. Manuel Linda.

Com cerca de 250 participantes, as Jornadas Missionárias 2017 foram integradas na peregrinação nacional das Obras Missionárias Pontifícias ao Santuário de Fátima no âmbito do centenário das aparições.

CB/PR

Partilhar:
Share