«As mãos que se erguem em oração confiante devem ser também mãos que se estendem na caridade para com o próximo mais sofredor», afirmou o arcebispo de São Salvador da Bahia, que preside à peregrinação de 12 e 13 de outubro

Foto: Lusa

Fátima, 12 out 2021 (Ecclesia) – O arcebispo de São Salvador da Bahia afirmou hoje na homilia da celebração da vigília de 12 de outubro, em Fátima, que o tempo atual é de “provação” e evocou os “clamores” dos que mais sofrem as consequências da pandemia.

“Nós entregamos, com confiança, à Mãe de Jesus e nossa Mãe, os clamores de tantos irmãos e irmãs que sofrem as consequências da pandemia, especialmente, os enfermos, os pobres e as família enlutadas”, afirmou o cardeal D. Sérgio da Rocha.

Para o arcebispo de São Salvador da Bahia o ambiente de peregrinação no Santuário de Fátima traz “esperança e paz” num “tempo tão difícil da pandemia” com “tantos desafios para cada um”, para as famílias e as comunidade.

“Estamos muito unidos, em oração, aos irmãos e irmãs que mais sofrem e buscam refúgio e proteção no coração materno de Nossa Senhora”, afirmou.

“Neste tempo de provação, nós levantamos o olhar confiante para a Senhora de Fátima; recorremos à sua intercessão para suplicar a Jesus por nós e pelos que mais sofrem, a fim de alcançarmos a força espiritual, a esperança e a paz.

D. Sérgio da Rocha afirmou que “a esperança e a força para continuar a caminhar sem desanimar” vem da Palavra de Deus, disse que os peregrinos de Fátima estão a “refazer a experiência dos Pastorinhos” e encontram Santuário “a força para superar as contrariedades e sofrimentos”.

“Com Maria e como Maria, somos convidados a dizer, a cada dia, ‘faça-se em mim, segundo a tua palavra’. Este é o caminho para encontrar força, esperança e alegria no Senhor”, afirmou.

O arcebispo de São Salvador da Bahia disse também que “peregrinar é dom, é graça, mas também é compromisso, oportunidade singular para dar passos de conversão e vida nova”.

“Peregrinar exige passos na caminhada, com o coração voltado para o Senhor e o olhar confiante em Nossa Senhora, atentos aos irmãos que caminham connosco, ao próximo que deve ser reconhecido e amado como irmão. Nós somos chamados a caminhar unidos, com a Igreja e como Igreja”, indicou.

Na homilia da vigília, na noite de 12 de outubro, D. Sérgio da Rocha alertou para a necessidade de “dar uma atenção especial a quem não consegue caminhar porque se encontra fragilizado, sofredor”, apelando à necessidade de estender as mãos “para os que mais sofrem”.

“As mãos que se erguem em oração confiante devem ser também mãos que se estendem na caridade para com o próximo mais sofredor”, sublinhou.

O arcebispo de São Salvador da Bahia e primaz do Brasil, cardeal Sérgio da Rocha, preside às celebrações da Peregrinação Internacional Aniversária de Outubro, em Fátima, sem limites de lotação, pela primeira vez desde o início da pandemia.

De acordo com as informações do Santuário de Fátima, inscreveram-se para participar na peregrinação de 12 e 13 de outubro 48 grupos e peregrinos, a maioria da Europa (nomeadamente de Portugal, com 19 grupos inscritos) e do continente americano.

PR

Partilhar:
Share