Faro, 25 mai 2020 (Ecclesia) – A Cáritas Diocesana do Algarve vai promover a campanha de recolha de alimentos não perecíveis, de 1 a 6 de junho, para responder ao aumento de 63% de pedidos de apoio social desde o início da pandemia de Covid-19.

“A maioria dos novos casos, são agregados familiares que viram os seus rendimentos reduzidos devido a situações de desemprego, de ‘lay off’, ou de apoio à família, que pelas suas caraterísticas, originam perda de remuneração”, explica a Cáritas algarvia.

Na informação divulgada pelo jornal diocesano ‘Folha de Domingo’, a instituição adianta que os apoios “mais solicitados são alimentar” e pedidos de apoio no pagamento de despesas como “renda de casa, medicação, água, luz e gás”.

A campanha de recolha de alimentos não perecíveis, intitulada ‘Espaços de Partilha Solidária’, vai ter três locais de recolha em Faro, de 1 a 6 de junho: A sede do Agrupamento 98 Faro do Corpo Nacional de Escutas (segunda a sexta-feira, das 18h30 às 20h00, e no sábado das 09h00 às 13h00), na capela de São Luís e na sede da Cáritas Diocesana (segunda a sexta-feira, das 09h00 0às 12h00 e das 14h00 às 17h00, e no sábado das 09h00 às 13h00).

A Cáritas do Algarve teve um aumento de 63% de pedidos de apoio social com o coronavírus Covid-19, neste momento está a apoiar 372 pessoas quando a 17 de março o número de beneficiários regulares era de 237 e no primeiro mês de isolamento, por causa da pandemia, apoiava mais 43 famílias, num total de 86 pessoas.

“Dado o aumento do número de pessoas que nos têm procurado, especialmente a solicitar apoio alimentar, tivemos de redobrar a nossa resposta, uma vez esgotada a reserva que tínhamos. Para este reforço contámos com um donativo de géneros alimentares de uma cadeia de supermercados, um donativo de uma associação de franceses a residir no Algarve e um apoio extraordinário do Município de Faro, iniciativas estas que nos permitiram reforçar a nossa capacidade de resposta”, contextualizou a instituição.

Atualmente, a Cáritas do Algarve está a implementar o Programa Intermédio de Apoio Social, criado pela Cáritas Portuguesa com um fundo de 130 mil euros para as instituições diocesanas, que vai contribuir para “uma resposta solidária a todos quantos se encontram em situação frágil”.

“Este programa será levado a cabo com fundos próprios e consiste na distribuição de vales de aquisição e de uma verba para apoios pontuais”, acrescenta, divulga o jornal ‘Folha de Domingo’.

CB

Partilhar:
Share